Receitas tradicionais

The Larchmont estreia um novo chef e um novo menu

The Larchmont estreia um novo chef e um novo menu

O chef Kevin Kathman traz um toque francês aos pratos locais em Los Angeles

A salada de beterraba do Larchmont.

O Larchmont, antigo Larchmont Grill, nomeou Kevin Kathman como chef executivo. Além de trabalhar com o chef Thomas Keller no French Laundry, o chef Kathman também cozinhou em outras cozinhas famosas, incluindo Gramercy Tavern, Gordon Ramsay e Babette.

Usando técnicas de culinária francesa, o novo menu do chef Kathman inclui pratos da fazenda para a mesa, utilizando produtos locais e produzidos de forma sustentável. Os destaques do menu renovado incluem salada de couve com pistache, maçã, faro e laranja sanguínea; foie gras com laranja, cereja, trufa e brioche; beterraba torrada, queijo de cabra, avelã e alfaces petite; risoto de camarão com tomate confitado; Cordeiro assado marroquino com cuscuz; e carne de porco assada lentamente com repolho refogado.

Instalado em uma antiga casa de campo de 100 anos em estilo artesão em Avenida Melrose, o Larchmont de dois andares oferece refeições ao ar livre na varanda ou aconchegantes refeições internas no cômodo principal todo branco com uma grande lareira e um bar com tampo de mármore.

O menu de coquetéis personalizados também é impressionante e inclui The Larchmont Cocktail com aquavit, aperol, limão e hortelã; The Bonded Fashion com bourbon, cereja, laranja e bitters, e a Revolução Francesa com vodka, limão, orgeat e laranja de sangue. As sobremesas são igualmente inspiradas e incluem panna cotta com maracujá, creme de chocolate e pudim de pão.


Estreia restaurante de churrasco Tex-Mex no distrito de Gateway com costelas e peito de reposição

O Braeswood BBQ leva o churrasco Tex Mex ao sempre crescente Gateway District, ao sul do Arts District. O food truck que virou restaurante estava estacionando em Beer District Brewing no Arts District ou Bad Beat Brewing em Henderson até que foi inaugurado em 1504 S. Main St., ao lado do próximo bar com temática ocidental, o Horse Trailer Hideout e o primeiro do bairro taberna de esportes planejada.

O restaurante do chef Gerald Casas - que trabalhou no Green Valley Ranch, no Lucky Foo, no B & ampB Ristorante no Venetian e no Caesars Palace - leva o nome do bairro de Houston, onde ele cresceu. Casas diz que suas receitas homenageiam o restaurante Tex-Mex de seu avô.

As opções incluem peito e carnitas defumados por libra e costelas por meia cremalheira ou completa. As entradas incluem um coquetel de camarão do sul e chili con queso. Os especiais para o fim de semana de abertura incluíram tacos carnitas defumados, posole Texas, tacos de peito e uma batata picada texana defumada. Os comensais também podem escolher um sanduíche de peito ou de porco desfiado.

Prato de peito no Braeswood BBQ Braeswood BBQ / Facebook

O restaurante tem espaço para 15 pessoas no interior, com um pequeno pátio na Main Street e um pátio maior na parte de trás para entretenimento ao vivo.


Restaurantes

A palavra é - Comentários

As avaliações "The word is" são compiladas a partir de avaliações sobre restaurantes de toda a web, incluindo Google, Open Table, Trip Advisor, Yahoo, Yelp, Zagat e nossas próprias avaliações de visitantes do Westchester Restaurant Guide.

Lemos as análises, resumimos as análises e apresentamos os resultados em A palavra é, uma revisão resumida para ajudá-lo a selecionar o melhor restaurante em Westchester.

    American New | Americano contemporâneo
    American Traditional
    Padaria
    Padaria | Bolos Pastelaria
    Bistrô e Wine Bar
    Café da manhã
    Café, cafeterias e chá
    Catering | Restauração de restaurantes
    Comida chinesa
    Lanchonetes e lanchonetes
    Restaurantes para famílias
    Opções sem glúten
    Opções Grass-Fed | Opções Orgânicas
    Opções de alimentação saudável
    Hudson Valley - Restaurantes
    Cozinha indiana
    Cozinha italiana
    Japonês e Sushi
    Long Island Sound Towns
    Cozinha mediterrânea
    Cozinha Mexicana
    Música 'Live' | Música ao vivo
    Aberto até tarde | Horas atrasadas
    Jantar ao ar livre
    pizza
    Pubs | Sports Bar | Hambúrgueres
    Pratos Pequenos (Tapas)
    Especialidades
    Bife e frutos do mar
    Brunch de domingo
    Sushi
    Cozinha tailandesa
    Cozinha turca
    Vegetariana | Opções Veganas
    Acessível para cadeiras de rodas - restaurantes
    WiFi = grátis

American New | Americano contemporâneo
A nova culinária americana tem suas raízes na culinária californiana. A nova comida americana, muitas vezes semelhante à americana contemporânea, enfatiza um menu sazonal. Os pratos são geralmente criados com base na disponibilidade de ingredientes frescos dos fazendeiros e pecuaristas locais.

American Traditional
O que é comida tradicional americana? É difícil classificar a comida tradicional americana. Todos nós associamos hambúrgueres, cachorros-quentes, batatas fritas e, claro, torta de maçã com comida americana - e que tal Turquia e batata doce no Dia de Ação de Graças.

Café da manhã
Cafés e restaurantes que servem café da manhã.

Catering | Restauração de restaurantes
Guia de catering, Caterers em Westchester County, Caterers, Catering Services, lista de catering em Westchester County, catering local, melhor catering, Catering Services em Westchester, NY, atenda ao seu próximo evento, o melhor, catering em Westchester

Comida chinesa
Os chineses acreditam que preparar comida é uma arte. A arte de cozinhar comida chinesa pode incluir pratos e técnicas de preparação de alimentos que são difíceis de desenvolver e podem exigir a perícia de um chef com muita experiência.

Cozinha indiana
O aroma inesquecível da Índia é a fragrância de especiarias importantes para a comida indiana. O cozinheiro indiano tem cerca de vinte e cinco temperos para misturar as combinações reconhecidas ou "masalas" (uma pasta usada na comida indiana) básicas da culinária indiana.

Cozinha italiana
Comer comida italiana pode oferecer uma refeição satisfatória e saudável. A comida italiana é variada, abundante em seleção e única em muitas das 20 regiões da Itália. Selecione um restaurante italiano requintado da nossa lista de restaurantes italianos em Westchester.

Japonês e Sushi
Você está procurando um bom restaurante japonês em Westchester County? Encontre excelente comida japonesa em restaurantes em Westchester, Nova York, selecionando na lista de restaurantes do The Westchester Restaurant Guide.

Cozinha Mexicana
A comida mexicana varia de acordo com a região. Receitas e ingredientes de muitos países como África, América do Sul e França influenciaram a comida mexicana. Selecione em uma lista de muitos restaurantes mexicanos no Condado de Westchester e no Vale do Rio Hudson.

pizza
Quase todos os americanos podem se identificar com a experiência de dar água na boca de morder uma pizza crocante e bem quente com mussarela derretida e molho de tomate suculento Selecione sua pizzaria favorita em nossa lista de Pizzarias.

Sushi
Você está procurando lugares para comer sushi? Encontre os melhores restaurantes de sushi no Condado de Westchester ao selecionar um restaurante da lista de lugares para sushi e sashimi do Guia de Restaurantes de Westchester.

Cozinha tailandesa
A culinária tailandesa é considerada por muitos como uma das comidas mais deliciosas do mundo. Embora a culinária tailandesa seja influenciada pela Índia e pela China, a comida tailandesa mantém sua própria identidade distinta. Desfrute de comida tailandesa em um restaurante tailandês em Westchester.

Sobre Larchmont

Chefe de cozinha sai de restaurante de duas estrelas Michelin em Dublin

Mickael Viljanen, chefe de cozinha do Greenhouse em Dublin, um dos únicos três restaurantes da Irlanda com duas estrelas Michelin, pediu demissão. Ainda não se sabe qual será seu próximo movimento, mas espera-se que ele permaneça na Irlanda.

O restaurante, na Dawson Street, perto de St Stephen’s Green, é propriedade de Eamonn O’Reilly, que também é dono de One Pico, próximo a Molesworth Place. Ambas as empresas tiveram que fechar durante sucessivos bloqueios de pandemia, e foram fechadas desde dezembro do ano passado.

Viljanen assumiu a cozinha da Estufa em 2012. O restaurante recebeu a primeira estrela no Guia Michelin 2016, com uma segunda estrela na edição de 2020.

Quando convidada a contribuir para este artigo, O’Reilly optou por não fazê-lo, mas depois divulgou um comunicado nas redes sociais, dizendo: “Isso foi uma surpresa e um choque completos após um relacionamento muito longo e bem-sucedido. Desejo a Mickael o melhor para o futuro. Ele é sem dúvida um dos chefs mais talentosos da Irlanda e da Grã-Bretanha. Agora vou tomar algum tempo para decidir como a Estufa avançará. ”

Os outros restaurantes duas estrelas da Irlanda são o Aimsir, em Co Kildare, que os rendeu em sua estreia no guia, em 2020, e o Restaurante Patrick Guilbaud, na Upper Merrion Street em Dublin, que tem duas estrelas desde 1996.

De acordo com a Michelin, as estrelas são atribuídas a restaurantes, não chefs, portanto, mesmo com a saída de Viljanen, a placa de duas estrelas da Estufa pode permanecer no local pelo menos até a publicação da próxima edição do guia. Um porta-voz da Michelin disse: “As estrelas Michelin são atribuídas a um restaurante, e não a um chef específico, portanto, as estrelas permanecem no restaurante se um chef sai. Os inspetores voltarão ao restaurante em questão e reavaliarão a cozinha sob o novo chef, e da mesma forma os inspetores estariam interessados ​​em descobrir a futura posição do chef de partida. ”

Relacionado

Este conteúdo foi bloqueado devido às suas preferências de cookies. Para visualizá-lo, altere suas configurações e atualize a página

O Greenhouse, que obtém ingredientes de todo o mundo para seus menus de degustação elaborados, foi considerado por muitos profissionais da indústria e críticos de restaurantes como operando em nível de duas estrelas por vários anos antes de ser reconhecido pela Michelin.

“Deus te abençoe, você mereceu seu lugar”, disse o chef e restaurateur Raymond Blanc, quando presenteou Viljanen com sua jaqueta de chef duas estrelas com monograma na cerimônia de premiação em Londres para o lançamento do Guia Michelin 2020. “Obrigado porra,” foi a resposta de Viljanen.

Questionado sobre a que atribui sua elevação, o chef disse: “Paramos de colocar muita coisa no prato e compramos os melhores produtos. Minha vida é apenas comida. Tudo se resume a isso e a ótimas pessoas. ”

Em sua citação no lançamento do guia 2020, a Michelin disse sobre o Greenhouse: “A culinária tem talento, a profundidade e a clareza dos molhos são impressionantes e os pratos têm muita personalidade”. Revendo No restaurante do The Irish Times em junho de 2018, Catherine Cleary escreveu: “Fora da Irlanda, cozinhar neste nível começa com três dígitos por cabeça. Meu companheiro de jantar, o Patrick Moore das refeições estreladas, acha que o mostrador oscila aqui entre duas e três estrelas. ”

Viljanen, que é finlandês, mudou-se do Reino Unido para a Irlanda em 2000, tendo trabalhado anteriormente no Curtume, em Dungarvan, e no Castelo Gregans, em Co Clare, onde passou cinco anos como chefe de cozinha.

Ele foi nomeado Chef do Ano em várias ocasiões na Irlanda, pela Restaurants Association of Ireland, o Georgina Campbell Guide e a revista Food & amp Wine.

Viljanen foi jurado na final regional do San Pellegrino World Young Chef em Londres em 2018. Mark Moriarty, vencedor da final global dessa competição em 2015, também trabalha no Greenhouse. Em 2018, a dupla, junto com Graham Neville do restaurante Dax, preparou um menu de degustação de sete pratos para 120 convidados, durante quatro noites, no Test Kitchen em Hong Kong.

Durante o primeiro bloqueio pandêmico, em abril do ano passado, Viljanen e Moriarty, junto com outro chef, Paddy Lee, levantaram fundos por meio de uma campanha do GoFundMe para cozinhar centenas de refeições por dia para profissionais de saúde da linha de frente.

No mês passado, Viljanen viajou para as Maldivas para participar de um programa de chef visitante em um hotel Soneva, servindo seis jantares com menu de degustação para hóspedes do resort, incluindo a modelo americana, personalidade da TV e autora de livros de receitas Chrissy Teigen, que fez referência à sua comida no sua conta no Instagram, que tem pouco menos de 35 milhões de seguidores.


LOJA DE CERVEJAS

Preparando-se para abrir neste verão, este novo restaurante de sushi estilo omakase do ex-chef Nobu Jimmy Park ocupou o espaço do antigo Daddy Jack & # 8217s ao lado do Leela & # 8217s Wine Bar. O novo espaço vai oferecer sashimi, crepes recheados com nozes, sumi-ika e mais pratos de sushi. Omakase é onde você permite que o chef escolha o que você vai comer, oferecendo aos clientes uma experiência especial com foco na degustação.

Dave & # 8217s Hot Chicken, com sede em L.A., abre sua primeira loja no Texas em Far North Dallas. (Cortesia)


Richard Sandoval Hospitality Group estreia dLeña

Richard Sandoval Hospitality, o grupo por trás do internacionalmente aclamado El Centro D.F, Toro Toro, La Sandia e mais, tem o prazer de anunciar a estreia do dLeña Wood-Fire Mexican Cocina & amp Mezcaleria. Programado para abrir suas portas na segunda-feira, 10 de maio, na 476 K Street NW, o conceito oferecerá autêntica cozinha mexicana com um toque moderno sob a direção de Chef Executivo Carlos Camacho.

Situado no coração do bairro de Mount Vernon Triangle, dLeña oferecerá aos jantares mais de 250 lugares em seu espaço interno e externo de 5.000 pés quadrados. O novo restaurante foi projetado para combinar as formas do velho mundo com um design moderno refinado. Os comensais sentirão as lareiras tradicionais e rústicas da cozinha a lenha do passado em todo o espaço.

“Como alguém que sempre gravitou de volta para esta cidade incrível, estou emocionado em apresentar à capital do país outro conceito empolgante da hospitalidade de Richard Sandoval”, disse o chef Richard Sandoval. “Estou ainda mais honrado em trabalhar com o Chef Carlos Camacho neste projeto e oferecer uma abordagem criativa sobre os sabores e pratos que moldaram nossas vidas.”

O Chef Carlos Camacho trará uma experiência valiosa para dLeña que lhe permitirá executar plenamente a visão emocionante do Chef Sandoval & # 8217s. A carreira célebre de Camacho inclui Chef Executivo em La Puerta Verde, Chef Executivo Regional para Richard Sandoval Hospitality conceit El Centro D.F, Toro Toro, bem como uma carreira estável em Great American Restaurants.

“Estou emocionado em trazer dLeña à vida ao lado do Chef Sandoval nesta primavera”, disse o Chef Camacho. “Nosso objetivo na dLeña será transportar nossos comensais para nossa casa mexicana, por meio de ofertas de alimentos e bebidas com curadoria. Esta é uma oportunidade única de mostrar a paixão dentro de nossa cultura. ”

“Estou emocionado em trazer dLeña à vida ao lado do Chef Sandoval nesta primavera”, disse o Chef Camacho. “Nosso objetivo na dLeña será transportar nossos comensais para nossa casa mexicana, por meio de ofertas de alimentos e bebidas com curadoria. Esta é uma oportunidade única de mostrar a paixão dentro da nossa cultura. ”

Os comensais viajarão para Oaxaca, no México, por meio de uma experiência multissensorial em cada mordida nos pratos defumados exclusivos do Chef Camacho, grelhados na churrasqueira a lenha exclusiva do restaurante. Os pratos incluem Bife Wagyu à la Piedra (US $ 48) servido com pimenta poblano, cebolas caramelizadas, molhos caseiros e tortilhas feitas sob encomenda Camarónes a la Diabla (US $ 30) camarão defumado marinado com chili com molho chipotle e cebolinha grelhada Coliflor a la Leña (US $ 16) couve-flor carbonizada com salada chimichurri e limão de agrião.

Abrindo para o serviço de jantar, os comensais podem esperar entradas como Guacamole De Bonito (US $ 18) um ​​tártaro de atum servido em uma tostada carbonizada e coberto com chili árbol salsa macha e salada de jicama Ostiones a la Leña (US $ 22) ostras grelhadas com chipotle mignonette e bacon defumado Ceviche de Setas (US $ 13) ceviche de cogumelo selvagem servido com caldo de aguachile verde, cebolas roxas e coberto com coentro fresco.

Uma variedade de tacos que incluem Tacos de Costela Curta ($ 16) com chili árbol molho de amendoim, rúcula salsa cruda, servido com tortilhas de farinha Lechoncito Tacos ($ 12) leitão com cebola salteada e molho de tomatillo verde Camarón Tacos (US $ 14) camarão crocante servido em tortilhas de jicama e salsa com cobertura e aguacate verde # 8211.

Os destaques da sobremesa incluem Carajillo Crème Brulée ($ 12) feito com licor 43 e expresso Pastel de Elote (US $ 10) um bolo de milho grelhado servido com sorvete de caramelo-cajeta e coberto com molho de hibisco-mezcal.

Abraçando sua herança mexicana e latino-americana, dLeña também vai estrear um programa de bebidas que destaca os distribuidores de vinho, tequila e mezcal. Os comensais podem esperar ofertas de bebidas, como o Ceviche de Setas ($ 14) para Vertical ou horizontal Voos Tequila / Mezcal (variando de US $ 22 a US $ 27), o programa de bebidas eleva coletivamente qualquer prato no menu dLeña e apresenta aos clientes sabores artesanais.

Supervisionar as operações do dia-a-dia será Director Geral Josh Gray. Como operador de hospitalidade veterano, Gray liderou um grupo diversificado de conceitos de restaurantes sofisticados, abrangendo chocolate, culinária japonesa e mexicana moderna. Suportando Gray como Assistente de Gerente Geral é gerente de hospitalidade experiente, Michael McDonald. Tanto Gray quanto McDonald garantirão que, ao longo dos estágios iniciais de abertura, a prioridade do dLeña continue a ser a segurança e o bem-estar dos clientes e a execução de todas as medidas de segurança que o CDC e o governo local implementaram.

Em comemoração à sua estreia, durante a semana de inauguração, o restaurante doará os lucros para Dreams For Kids DC, uma organização sem fins lucrativos 501 (c) (3) dedicada a capacitar crianças com deficiências físicas e de desenvolvimento para se unirem a seus colegas e realizarem seu potencial.

A partir de segunda-feira, 10 de maio, o dLeña abrirá para serviço de jantar no local e para viagem de domingo a quinta-feira: das 17h às 22h, de sexta a sábado: das 17h às 23h. Os comensais poderão encontrar o restaurante no Doordash, GrubHub, Uber Eats e Postmates duas semanas após sua estreia. O restaurante pode abrir suavemente antes da data de abertura. As reservas para jantar estão disponíveis no OpenTable.

Para obter mais informações sobre as ofertas e reservas dLeña, visite dlenadc.com, siga Instagram e Facebook. Para consultas à imprensa, entre em contato com Kenia Najera em [email protected]

Sobre dLeña

dLeña Wood-Fire Mexican Cocina & amp Mezcaleria é um restaurante mexicano moderno localizado no coração do bairro de Mount Vernon, em Washington D.C. O conceito dirigido pelo chef orgulhosamente oferece uma nova abordagem da culinária mexicana e abraça sua herança e cultura por meio de uma experiência gastronômica elevada. Para obter mais informações sobre dLeña, visite dlenadc.com. Para atualizações adicionais, siga dLeña no Instagram, Facebook e Twitter.

Sobre Richard Sandoval Hospitality
Richard Sandoval Hospitality é um grupo líder de restaurantes fundado pelo chef / restaurateur Richard Sandoval. Conhecido por oferecer aos hóspedes uma experiência culinária incomparável, este grupo de restaurantes latinos contemporâneos internacionalmente reconhecido possui e opera com sucesso mais de 45 conceitos de restaurantes em todo o mundo. As localizações dos restaurantes nos EUA abrangem 10 estados e o Distrito de Colúmbia - bem como internacionalmente em 7 países, incluindo Costa Rica, México, Nevis, Qatar, Sérvia, Turquia e Emirados Árabes Unidos.


Niki Nakayama está abrindo um novo restaurante focado em Bento para celebrar a culinária nipo-americana

o Mesa do Chef star estreia n / soto em 10 de março.

Niki Nakayama está sentindo o tipo de nervosismo que não sentia há uma década, o tipo de nervosismo que os chefs experimentam quando abrem um novo restaurante.

"Estamos empolgados e nervosos ao mesmo tempo", disse Nakayama, que estreará n / soto com sua esposa e a subchefe Carole Iida-Nakayama nos arredores do bairro de West Adams em Los Angeles em 10 de março.

N / soto, que cresceu a partir das caixas de ekiben para viagem que n / naka começou a servir durante a pandemia de COVID-19, é um restaurante que se concentra em & quot como a comida japonesa se parece quando é influenciada por outras culturas & quot. um bento que reflete como a comida japonesa evoluiu nas cozinhas domésticas nipo-americanas.

“O primeiro bento é representativo de todo o conceito do próprio restaurante”, disse Nakayama.

A caixa, que se chama Taste of Home e pode ser reservada online a partir de 5 de março, incluirá cerca de 20 itens como carne sukiyaki, salmão teriyaki, camarão ovo foo young, spam musubi, salada de macarrão de atum, lagosta miso dinamite e coco bolo.

N / naka foi inaugurado em 2011 em um quarteirão tranquilo no bairro pouco glamouroso de Palms, em Los Angeles, e se tornou uma sensação kaiseki que apareceu no Mesa do Chef & aposs, nomeado um de Comida e vinho& aposs 30 melhores restaurantes do mundo, e premiado com duas estrelas Michelin. Mas, apesar de todo o sucesso, Nakayama não tinha nenhum desejo de abrir outro restaurante até que a pandemia atingisse.

"Era algo que eu não queria fazer porque me sentia muito conectada com o que estava fazendo [em n / naka]", disse ela.

"A visão [em n / naka] está tão ligada a Niki como chef e sua expressão de cozinhar através do formato kaiseki", disse Iida-Nakayama. "Parte do que é empolgante [at n / soto] é que nem sempre precisa vir do cérebro de Niki."

N / naka colaborou recentemente em caixas de bento com a chef vietnamita-americana Minh Phan da Historic Filipinotown & aposs Porridge + Puffs e Susan Yoon, a chef de cuisine Orsa & amp Winston que começou a cozinhar comida coreana para dosiraks que vendeu em sua casa em Mount Washington. A criatividade que Nakayama se viu cercada a energizou. Ela quer que n / soto seja um restaurante sobre colaboração e elevação da comunidade. Ela deseja que as ideias venham de sua equipe, de outros chefs, de fazendeiros, fornecedores e organizações comunitárias.

O primeiro n / soto bento, que estará disponível por cerca de seis semanas de quarta a sábado, está sendo criado em parceria com o L.A. & aposs Museu Nacional Japonês Americano (JANM), que está fornecendo fotos históricas e outros pontos de referência.

& quotA área onde n / soto vai estar, na verdade, teve uma comunidade japonesa muito grande depois do internamento, depois da guerra, & quot, disse Nakayama. & quotEles perderam tanto de seus imóveis e propriedades em Little Tokyo que tiveram que se mudar. & quot

A pesquisa de n / soto também envolveu a busca de receitas antigas.

"Encontramos um livro de receitas maravilhoso feito por japoneses em Culver City", disse Nakayama. “Eles apenas juntaram receitas de diferentes pessoas do bairro e juntaram para arrecadar fundos para a comunidade. Isso é o que a comida pode fazer. Pode aproximar as pessoas. Pode construir uma comunidade e também dar retorno à comunidade. & Quot

Parte das receitas de n / soto irá apoiar o Little Tokyo Community Council, cujo trabalho inclui a emissão de subsídios para ajudar restaurantes durante a pandemia.

"O fator motivador para n / soto era ser capaz de fazer parte de algo que seria bom e chegar a outras pessoas e realmente ajudar uns aos outros", disse Nakayama.

“O conceito de colaboração em vez de competição foi uma frase muito forte pela qual gravitamos desde o início durante a pandemia”, disse Iida-Nakayama. & quotCom todos os restaurantes e chefs lutando, parecia que estávamos todos nos afogando ao mesmo tempo. Mas percebemos que o que nos dava mais força era poder ajudar outras pessoas. & Quot

N / soto não começou porque a equipe n / naka decidiu abrir outro restaurante. Eles queriam alugar um espaço mais adequado para levar para viagem. Mas eles encontraram um local que costumava abrigar um restaurante coreano de propriedade de uma família. Eles verificaram o prédio autônomo com um estacionamento e começaram a perceber que podiam fazer mais do que comida aqui.

Nakayama e Iida-Nakayama formaram uma parceria no n / soto com Erin Wade, uma restaurateur cuja visão de empreendedorismo e cultura de restaurantes se alinham com a deles. Eles estão preparando seu pátio para refeições ao ar livre em um futuro próximo. Eles também irão adicionar refeições internas quando for a hora certa. O plano, disse Nakayama, é servir um cardápio no estilo izakaya & quot com muitas influências que não são puramente japonesas & quot;

Portanto, embora n / naka seja muito voltado para a culinária kaiseki japonesa, Nakayama deseja que n / soto seja & quotrealmente representativo da experiência de L.A. & quot

Colocando de outra forma: n / naka é sobre comida japonesa e n / soto é sobre comida da diáspora japonesa. É sobre o que os imigrantes levam consigo e deixam para trás. É sobre como algo como uma asa de frango frito pode representar o passado e um novo começo.

A palavra & quotsoto & quot significa exterior ou exterior em japonês, então o que Nakamaya obviamente quer fazer em n / soto é explorar as grandes coisas que acontecem quando você leva comida japonesa para fora do Japão.

Mas também entenda isso: n / soto ainda é sobre a complexidade e a precisão da comida japonesa, e como isso envolve decapagem e temperaturas diferentes e cortar as coisas com perfeição. Trata-se de compreender como utilizar com precisão diferentes métodos de cozimento, como cozinhar a vapor, grelhar e fritar, para criar o que Nakamaya acredita ser a "melhor forma de ingrediente". Estas são algumas das coisas que os espectadores podem aprender ao assistir ao novo MasterClass de 18 aulas de Nakayama , que será lançado em 4 de março.

"Uma das coisas sobre a comida japonesa é que é difícil para as pessoas reconhecerem que há tanto trabalho nos bastidores para obter este produto de aparência muito simples que acaba na sua frente", disse Nakayama. Ela menciona um prato bento-box de salmão no n / naka que é escaldado em óleo, frito na frigideira, grelhado e defumado.

E agora Nakayama também está pronta para aprender com os outros enquanto escreve um novo capítulo em n / soto.

"Eu passei muito tempo na n / naka, e este outro projeto vai ajudar a me inspirar", disse ela. & quotEu estou tão animado com todas as coisas que poderei aprender com outros chefs e todas as coisas que poderemos trocar em termos de conhecimento, ingredientes e técnicas e filosofias gerais. Parece uma maneira maravilhosa de continuar crescendo. & Quot

n / soto (o site vai ao ar em 5 de março), 323-879-9455, 4566 W. Washington Blvd., Los Angeles


CHRISTOPHER KOSTOW

"A New Napa Cuisine" segue a jornada de Kostow de empregos de verão em um festival de música da área de Chicago para dirigir um restaurante com três estrelas Michelin que o Wall Street Journal elogiou recentemente como um "templo da culinária americana moderna". O livro celebra os artesãos locais, produtos, produtores e silvestres que desempenharam um papel na criação de um estilo nascente de culinária específico para este pequeno vale americano. Por meio de contos sobre o design de porcelana chinesa com ceramistas locais ou a descoberta de comestíveis selvagens ao longo do riacho enquanto passeava com seu cachorro plantando sementes literais e figurativas - a história de Kostow é pessoal e envolvente.

Publicado pela Ten Speed ​​Press, "A New Napa Cuisine" está disponível em todos os lugares onde os livros são vendidos, incluindo:


O homem que vê um futuro onde os alimentos indígenas são tão onipresentes quanto hambúrgueres

O chef Sean Sherman está prestes a abrir um restaurante em Minneapolis que pedirá aos comensais que discutam a dizimação dos hábitos alimentares dos nativos americanos enquanto se deliciam com o bisão assado no cedro.

É necessário um certo nível de coragem para abrir um restaurante durante uma pandemia. Depois, houve a audácia necessária para abrir um dos primeiros restaurantes da América e totalmente descolonizados com foco nos indígenas durante uma pandemia em Minneapolis e cidade de mdasha que, com o assassinato de George Floyd e rsquos um ano atrás, se tornou um microcosmo do meio-oeste da América e problema de racismo. Uma cidade onde, nesta primavera, enquanto os residentes simultaneamente tentavam parar o sangramento coletivo e se preparar para as consequências do julgamento de Derek Chauvin, Daunte Wright foi morto a poucos quilômetros de distância em um episódio devastador de d & eacutej & agrave vu. A mesma cidade onde, em 2018, o chamado Muro dos Nativos Esquecidos se tornou o maior assentamento de sem-teto pré-pandêmico de Minnesota. E onde, em 2017, um centro de artes de prestígio gerou grande controvérsia com sua escultura & ldquoScaffold & rdquo, uma obra de um artista não indígena que reproduziu a forca onde 38 homens Dakota foram enforcados na vizinha Mankato em 1862, no que resta do país, a maior execução em massa. Em suma, esta é uma cidade onde negros, pardos e indígenas passaram a questionar se são bem-vindos, quanto mais celebrados.

E, no entanto, abrir aquele restaurante é exatamente o que o chef Sean Sherman está fazendo. Quando Owamni by The Sioux Chef (empresa educacional e de catering de Sherman & rsquos) começar a servir no início de junho, a tarifa será feita exclusivamente com ingredientes indígenas e sem quaisquer ingredientes coloniais - significando sem farinha de trigo, açúcar de cana, laticínios, carne bovina, suína, frango ou outro alimentos que não existiam na América antes que os brancos pisassem neste solo. Embora o chef e ativista Oglala Lakota de 47 anos de idade classifique os alimentos nativos americanos como "quoironicamente estrangeiros", eles crescem bem debaixo dos pés, mas de alguma forma parecem exóticos para o americano médio & mdash, sua culinária parece suavemente familiar. Ele assa carinhosamente o bisão com cedro fresco e ferve o arroz selvagem colhido à mão com cerejas azedas e xarope de bordo e joga folhas de dente-de-leão forrageadas em sopas e saladas. Um homem de fala mansa, reconhecível por seu sorriso caloroso e dupla de longas tranças pretas, Sherman exala entusiasmo ao discutir os ingredientes indígenas que usa, o suficiente para que um tópico delicado como o colonialismo se torne assunto apropriado para conversas à mesa de jantar.

Com Owamni, Sherman está dando continuidade a uma revolução na soberania alimentar na qual ele está trabalhando desde 2008, determinado a revitalizar as refeições indígenas e torná-las tão onipresentes quanto os clássicos americanos, como hambúrgueres e batatas fritas. Afinal, a representação é importante, mesmo em nossos pratos, e particularmente em Minneapolis.

Naquele dia de maio passado, quando o vídeo horrível de Darnella Frazier e rsquos dos minutos finais da vida do Floyd e rsquos se tornou viral, Minneapolis começou a zumbir. Assim que ouviu a notícia, Sherman dirigiu-se ao caos, não para longe dele, descendo para o que agora é conhecido como George Floyd Square, não muito longe de sua casa em South Minneapolis. Lá, uma reunião e um sentimento de indignação estavam crescendo. “Houve essa raiva coletiva que fundiu todos e nos fez perguntar:“ O que podemos fazer agora? ”, lembra ele.

Durante a agitação que se seguiu, Sherman sentiu-se compelido a ajudar sua dolorida comunidade da melhor maneira que sabia: por meio da comida. Em poucas semanas, a equipe do Sioux Chef estava produzindo centenas de refeições por dia para combater os novos desertos alimentares das Cidades Gêmeas que se desenvolveram durante a noite, enquanto mercearias e restaurantes eram saqueados e queimados. Sherman carregava sua picape com tigelas de grãos para um crescente acampamento de sem-teto próximo ao Parque Powderhorn e distribuía sopa quente para as pessoas nas ruas. Mesmo neste momento de emergência, ele manteve o foco intencional em servir ingredientes indígenas inerentemente nutritivos, como arroz selvagem, quinoa, bisão, pato, peru e produtos sazonais dos agricultores da área.

“Estávamos apenas fazendo uma pequena parte que poderia ser sentida ao tornar alimentos saudáveis ​​acessíveis a todas essas pessoas, especialmente as crianças”, diz Sherman. & ldquoEssas crianças acendiam um cigarro quando começavam a comer comida de verdade. Quando eu parasse nesses acampamentos de sem-teto, as pessoas me diriam: & lsquoObrigado pela comida de verdade, alguém deixou três sacos de lixo com pão branco. & Rsquo Isso não é comida. Você não pode sobreviver com isso. & Rdquo Ele viu aquele pão branco, desprovido de nutrição significativa, como parte do sistema alimentar falido em que as comunidades tribais estão há muito presas.

&ldquoNutrition shouldn&rsquot be based on your skin color or your zip code,&rdquo Sherman says. But for tribal members spread across the country, the urban poor, and Sherman himself, it so often is.

Sherman grew up on South Dakota&rsquos Pine Ridge Reservation, one of the poorest communities in America, where he had little connection to the foods of his ancestors. Instead, he and his family subsisted on a diet of government supplemental fare, which he credits for the health problems&mdashobesity, heart disease, type 2 diabetes&mdashplaguing Native Americans today. At 13, he got a job washing dishes and busing tables at a nearby steakhouse that led to an affinity for cooking and an eventual move to Minneapolis. As he gained experience in restaurant kitchens preparing European cuisines, he wondered: Why didn&rsquot he know more about the food systems and practices of his own people?

And so he embarked on a years-long endeavor to better understand Native American foodways, learning from elders, historians, and ethnobotanists along the way. Since launching The Sioux Chef in 2014, he has championed the original North American food system, one rooted in harvesting wild plants, employing sophisticated agricultural practices, and preserving seed diversity. He has served hundreds of Indigenous-focused meals, presented to vast and varied audiences (including TEDx Sioux Falls and the Culinary Institute of America), and cowritten a James Beard Award&ndashwinning cookbook devoted entirely to Native American recipes. Alongside his life/business partner Dana Thompson (herself a Dakota descendant), he founded the nonprofit North American Traditional Indigenous Food Systems to address tribal health and economic crises, which in turn opened a training and production kitchen called the Indigenous Food Lab last summer, as plans for Owamni&rsquos opening moved forward.

"Nutrition shouldn&rsquot be based on your skin color or your zip code."

They are not alone in their mission&mdashgrassroots efforts support it across the country. As Sherman points out, there are 574 recognized tribes in the United States, each with its own history and traditions. But through the events following Floyd&rsquos killing and a year of racial reckoning, Sherman and Thompson&rsquos dedication to their state remained unwavering. To that end, the Indigenous Food Lab currently produces some 10,000 free meals a week that get distributed to nine of Minnesota&rsquos 11 tribal communities.

Sherman and Thompson believe that the kind of culturally relevant food they dish out can help heal trauma, both collective and generational. Thompson points to recent epigenetics research suggesting that trauma can be passed down through three generations and possibly result in biological changes that affect longevity and wellbeing. &ldquoNot only can people not see the generational trauma that was handed down to them, but people on the other end of the spectrum can&rsquot see the generational privilege that was handed down to them,&rdquo Sherman says. &ldquoThat generational privilege was often the direct result of either theft of Indigenous land or the use of African American slave labor. The United States conveniently ignores this, as do so many people in power today.&rdquo

They never doubted that Minneapolis&mdasha city that&rsquos been forced to very publicly reckon with its marked racial inequities, among the worst in the country&mdashwas the right place for a fully decolonized restaurant. &ldquoEvery city is,&rdquo Thompson says matter-of-factly. That&rsquos key for their larger hope: that one day you can drive across North America&mdashthe U.S. borders are colonial constructs, Thompson asserts&mdashand experience the rich culinary and cultural traditions of the tribal communities specific to those lands. They envision their Indigenous Food Labs dotting the map and empowering local entrepreneurs to serve as stewards of ancestral knowledge. And why stop there? &ldquoOne day, we could have them in New Zealand, Southeast Asia, and Africa,&rdquo Sherman muses.

Here in his hometown, The Sioux Chef tradition of pairing food with knowledge will continue at Owamni. &ldquoThere&rsquos so much power in food,&rdquo Sherman explains. &ldquoA lot of cultural identity is wrapped up in food, and it&rsquos an easy way to tell stories. The food we&rsquore serving at Owamni tells the story of where it&rsquos from, how it got here, and who you&rsquore supporting by buying it.&rdquo In a quite literal take on reclamation, Owamni is housed in a former riverfront mill along the mighty Mississippi in downtown Minneapolis and takes its name from the Dakota word for the waterfalls it overlooks. Diners can admire the sacred site while feasting on sage-smoked turkey, northern pozole, and three sisters salad. They can learn about the cultural and medicinal significance of Indigenous ingredients from the menu and the Owamni team. They can sign up for a cooking demonstration on how to make cedar maple tea, or a plant identification tour that weaves through the endemic flora on the grounds. And while they&rsquore feeding themselves, they&rsquore also feeding their community, as the eatery&rsquos profits will help power Sherman&rsquos charitable and educational initiatives.

Perhaps most importantly, restaurant goers will be urged to join in a long-overdue conversation about colonialism&mdashhow it all but destroyed Native American cultures and foodways, and how doing anything but facing its residual privileges perpetuates a cycle of injustice. &ldquoJust taking the time to taste and to learn gives people an opportunity to think about the wrongs that have happened,&rdquo Sherman says. &ldquoIt gives us an opportunity to talk about history from an Indigenous perspective and to acknowledge these atrocities that have been wiped off our history books. And it gives people an opportunity to realize a lot of issues are still alive out there.&rdquo

For two other James Beard winners who&rsquove shaped the Twin Cities culinary landscape, Owamni&rsquos debut is indeed cause for celebration. &ldquoOwamni is an open-armed invitation for Minnesotans to gain a better understanding and appreciation of the history and traditions of the Native American community through Sean&rsquos unique culinary lens,&rdquo says Ann Kim, the chef behind expectation-defying eateries like Young Joni, Pizzeria Lola, and the new Sooki & Mimi. Gavin Kaysen, whose Spoon and Stable has brought him national acclaim, echoes that enthusiasm: &ldquoWhat makes Sean&rsquos project impactful and important is that he is giving both his cuisine and this community a sense of place through his ingredients and cooking techniques. He has nothing but the best intentions of telling his story in a genuine, meaningful way.&rdquo

Join Esquire Select

Sherman recognizes that his mission, which extends far beyond a plate of food, could someday land him in public office. &ldquoI think a lot of this has to take place on a political stage, because Indigenous communities have rarely had voices in government,&rdquo he explains, pointing to Interior Secretary Deb Haaland&rsquos historic confirmation as progress. In fact, he grew up around politics, with his mother making a run for South Dakota state senate in 1988, nearly beating out an incumbent Republican as a young, Indigenous single mother.

With the landmark conviction of Derek Chauvin for the murder of George Floyd, Sherman&rsquos bruised and battered city now serves as an unexpected harbinger of change in America. Sherman is encouraged by the trial outcome. He also emphasizes that the United States has &ldquoa long way to go in the fight against white supremacy and toward an equitable justice system.&rdquo For his part, he is making one more stride toward a postcolonial future via his precolonial fare. It&rsquos like he always says: &ldquoIf you can control your food, you can control your destiny.&rdquo


ChefUniforms.com Ambassador Chef Lauren Lawless Opens New Restaurant

Chef Lauren Lawless Opens New Restaurant

FORT LAUDERDALE, Fla. (PRWEB) February 06, 2021

ChefUniforms.com (Chef Uniforms), a leading manufacturer and distributor of high-quality chef and hospitality apparel worldwide is proud to partner with and support one of the company’s ambassadors, Chef Lauren Lawless on the recent opening of her new restaurant, food truck and appearances on Food Network’s Supermarket Stakeout and season 19 of Hell’s Kitchen.

In January 2021, accomplished Celebrity Chef Lauren Lawless became the proud owner of her new restaurant, Flawless Bistro & Bar located in Escondido, California, in the Boulder Oaks Golf Club. The restaurant offers a diverse lunch, dinner and dessert menu with a weekend-only brunch special.

“I felt like the next step in my career was to become a restaurant owner and I have done just that. I’m very proud of myself and my team,” noted Chef Lawless. “Without them, this dream of mine wouldn’t be possible.”

Additionally, Chef Lawless launched her food truck, Flawless Cuisine this past September 2020, bringing a gourmet tapas menu to the streets of San Diego, California six days a week.

“I wanted to bring fine dining to customers in a new and elevated way, sharing my food for all of San Diego to enjoy. It was a fun way to showcase my talent and recipes during a pandemic and I enjoyed bringing a different concept to the streets of my hometown,” Chef Lawless remarks.

ChefUniforms.com is proud to have provided Chef Lawless, her food truck and restaurant teams with exclusive chef apparel for men and women. Her team can be seen wearing the following chef gear: Women's Short Sleeve Chef Coat with Knotted Buttons, On the Line Men's Short Sleeve Value Chef Coat - Button Front Closure, Chef Unisex Adjustable Knives Bib Apron and Chef Unisex Adjustable Donut Shop Bib Apron. Chef Lawless can also be spotted wearing her Chef Unisex Adjustable Bib Apron in Chalk Stripe Black, Women's Short Sleeve Chef Coat with Knotted Buttons and Women's Drawstring Stretch Chef Pants in Black.

Moreover, Chef Lawless is the recent winner of Food Network’s Supermarket Stakeout, as seen on season two, episode 11, which aired on May 26, 2020. Starting on January 2021, Chef Lawless makes her debut on Hell’s Kitchen Season 19, where she and other hopeful chefs battle for the opportunity to win $250,000 and become the new head chef at Gordon Ramsay’s new restaurant.

The prolific chef has other works in the pipeline: she is hoping to open a second restaurant and plans for more television appearances in the future. She attributes her success as a small-business owner to her perseverance and tireless zest to accomplish her dreams, listening to her audience and catering her craft to their needs. She urges Chefs with similar goals to follow her advice and keep their passion going.

“My advice would to be keep working hard, keep learning, keep listening and most importantly, keep evolving. Never stop fighting for what you believe in. Consistency is the ultimate key to your success. You have to learn to roll with the punches and make things happen no matter what the situation.”


Assista o vídeo: RECEITAS DO CHEF HUMBERTO - OSSOBUCO EUROPEU (Dezembro 2021).