Receitas tradicionais

Mix de mídia: Brócolis é melhor integral; Ben e Jerry's ajudam a ocupar Wall Street; e os chefs favoritos de Joe Jonas

Mix de mídia: Brócolis é melhor integral; Ben e Jerry's ajudam a ocupar Wall Street; e os chefs favoritos de Joe Jonas

The Daily Byte traz para você todas as notícias de alimentos que você pode ler.

Não discuta e coma seus brócolis: Os pesquisadores descobriram que comer brócolis inteiro é mais nutritivo do que tomar pílulas suplementares. [O sal]

Mas talvez deixe de lado as vitaminas: Embora tenhamos sido ensinados a tomar nossos multivitamínicos diariamente, um novo estudo descobriu que os suplementos só podem ser benéficos se você realmente precisar deles. Mulheres mais velhas que tomavam suplementos adicionais tinham taxas de mortalidade mais altas do que mulheres que não tomavam vitaminas. [BBC]

Peek Inside Four and Twenty Blackbirds: Selby comestível traz sua câmera e gravador de áudio para a loja de tortas Gowanus. Os proprietários falam sobre a massa da torta: “Acho que é desafiador e escultural. Não se trata apenas de ter certeza de que toda a química está certa. É mais intuitivo. ” [Revista T]

Os preços da manteiga de amendoim vão subir: Primeira abóbora, agora amendoim. A escassez da safra de verão significa que os fabricantes de manteiga de amendoim terão de aumentar os preços. É hora de reduzir esses PB & Js. [WSJ]

Sorvete para Occupy Wall Street: Ben & Jerry's socialmente experientes apoiaram os manifestantes, dizendo: “Percebemos que o Occupy Wall Street está clamando por uma mudança sistêmica. Apoiamos este apelo à ação e temos a honra de nos juntar a vocês neste apelo para retomar a nossa nação e a democracia. ” Pode ser este sabor se tornará realidade. [Ben e Jerry’s]

Joe Jonas: Kid Star virou foodie: Agora que este irmão Jonas quer seguir carreira solo, ele está renovando sua imagem com ternos e jantares elegantes. Aparentemente, ele quer começar um blog de comida e realmente gosta dos tacos de cascavel de Tim Love, Susan Feniger, Mario Batali e Ferran Adrià. “Se houver um chef de que realmente gosto, vou enlouquecer, porque acho que o talento deles é muito diferente do que eu faço”, diz ele. Aww, celebridades fascinadas. [Despacho]

O Daily Byte é uma coluna regular dedicada a cobrir notícias e tendências gastronômicas interessantes em todo o país. Clique aqui para as colunas anteriores.


Técnico vs. Performer

Um contraste entre um virtuoso perfeccionista e altamente habilidoso e um artista menos habilidoso, porém mais inventivo e original. Este é um enredo comum a histórias que enfocam as artes (geralmente música ou teatro), ou esportes que requerem a mistura de habilidade física com criatividade (como dançar ou patinar).

Alice está nas aulas de balé desde que começou a andar. Ela pratica todos os dias, esforçando-se para sempre fazer melhor do que o seu melhor. Ela é a estrela de todas as produções e a aluna premiada de todos os professores. Mas por mais devotada que seja à sua arte, ela nem sempre parece aproveitar isto. Ela não tem vida social porque ficará no estúdio muito depois de todos os outros terem ido para casa. Ela tem muitos admiradores, mas poucos amigos verdadeiros. Ela pode até minimizar seu próprio talento, focalizando seus erros em vez de seus sucessos. Se ela for realmente azarada, ela está sobrecarregada com uma Mãe do Palco dominadora.

Betty começou o balé há um ano. Ela nunca chega cedo nem fica tarde. Ela não tem muito interesse em perfeição técnica, e às vezes até improvisa seus próprios movimentos e sai do script. Mesmo assim ela adora dançar, e isso fica evidente. Mesmo se ela cair de cauda, ​​ela deixa o público sorrindo. Ela tem uma vida fora do estúdio, uma família sólida que torce, não importa o que ela faça, e um sorriso contagiante. Se o balé algum dia deixar de ser divertido, ela simplesmente deixará de fazê-lo, mas tem-se a sensação de que ela nunca se cansará de dançar.

Coloque os dois juntos no palco e os juízes irão preferir Alice, mas o público vai preferir Betty.

O público não vê a forma perfeita de Alice. Eles vêem que ela dança com uma cara de fim de semana chuvoso. Betty transforma uma queda em um movimento de dança peculiar, faz caretas para a criança na primeira fila e ri durante o ato final. Alice pode estar revirando os olhos dos bastidores, mas ela irá para casa se perguntando por que a multidão torceu por aquele absurdo quando tudo ela recebi aplausos educados.

A diferença entre eles é que Alice dança para atender a um padrão & mdash que ela coloca em si mesma ou outro que os outros colocaram em seu & mdash, enquanto Betty dança pela pura alegria da arte. O público que está assistindo pode não perceber o que é uma "performance perfeita", mas sabe quando os dançarinos estão se divertindo. e mesmo aqueles que Faz saber o que é boa forma preferiria ver originalidade, interpretação artística e diversão simples e simples - o que Alice muitas vezes não consegue fazer, porque improvisação, invenção e diversão muitas vezes colocam em risco esse senso de 'perfeição'.

Normalmente, esses dois irão estimular um ao outro competitivamente de alguma forma. Eles podem descobrir que não são tão diferentes em certos aspectos de suas vidas e paixões. Às vezes, Derrota Significa Amizade toma conta e as garotas vão aprender umas com as outras: Alice vai aprender a se soltar e redescobrir a alegria de sua arte, e Betty vai tentar imitar a dedicação e a prática de Alice. Se eles não chegarem a um acordo, isso pode levar a alguns resultados desagradáveis ​​ou um colapso.

A Irmã tropa para Red Oni, Blue Oni, onde o Técnico é o azul oni (frio, metódico, lógico) e o Performer é vermelho (energético, instintivo, emocional). Obviamente, esses dois arquétipos podem se manifestar de maneiras diferentes, dependendo da situação em que estão envolvidos, como:

  • Um artista marcial que usa movimentos precisos e tradicionais versus aquele que dança e usa técnicas não ortodoxas
  • Um pintor de pinturas simplistas e alegres em uma escola de arte cheia de alunos obcecados pela complexidade
  • Um músico que acha as partituras chatas e gosta de jazz com suas próprias variações, para consternação de um membro da banda que pratica com essas partituras há meses

Geralmente, a narrativa será a favor do artista entusiasta (que às vezes tem O Dom, mas nem sempre) ao invés do técnico diligente. Na melhor das hipóteses, o tropo canta os elogios de se divertir e ser único no pior, isso implica que habilidade técnica significa esterilidade criativa.

Difere ligeiramente de (mas está relacionado a) Hard Work Hardly Works, onde o técnico é inegavelmente melhor no que faz, mas eles são contrastados com um artista brilhante, mas preguiçoso, que é mais divertido de assistir, ou obtém resultados aceitáveis ​​com um fração do esforço. Neste caso, Hard Work Hardly Works acrescenta insulto à injúria, dando superioridade ao preguiçoso alegre habilidade do que aqueles ao seu redor que realmente praticam. Também semelhante a Fraco, mas hábil semelhante no sentido de que há um performer melhor treinado contra um rival mais forte ou mais talentoso, mas diferente em que aquele com o melhor treinamento vence, geralmente por inteligência e habilidade.

Às vezes, Alice e Betty podem se cruzar com Cassie: uma personagem que é técnica e artista. Nesse caso, a experiência de Cassie pode se sobrepor a Talentosa, mas Treinada (talento inato + trabalho duro).

Compare o vilão sem vilões e a equipe esportiva adversária. Também pode ser visto como uma forma de Snobs Vs Slobs, com técnicos meticulosos que prestam atenção aos detalhes como o contraponto para os performers que acreditam em fazer o que vem naturalmente. Em um cenário militar ou combativo, essa dicotomia pode formar a base para Filosofias de Combate Opostas, junto com Soldado vs. Guerreiro.


Técnico vs. Performer

Um contraste entre um virtuoso perfeccionista e altamente habilidoso e um artista menos habilidoso, porém mais inventivo e original. Este é um enredo comum a histórias que enfocam as artes (geralmente música ou teatro), ou esportes que requerem a mistura de habilidade física com criatividade (como dançar ou patinar).

Alice está nas aulas de balé desde que começou a andar. Ela pratica todos os dias, esforçando-se para sempre fazer melhor do que o seu melhor. Ela é a estrela de todas as produções e a aluna premiada de todos os professores. Mas, por mais devotada que seja à sua arte, nem sempre parece aproveitar isto. Ela não tem vida social porque ficará no estúdio muito depois de todos os outros terem ido para casa. Ela tem muitos admiradores, mas poucos amigos verdadeiros. Ela pode até minimizar seu próprio talento, focalizando seus erros em vez de seus sucessos. Se ela for realmente azarada, ela está sobrecarregada com uma Mãe do Palco dominadora.

Betty começou o balé há um ano. Ela nunca chega cedo nem fica tarde. Ela não tem muito interesse em perfeição técnica, e às vezes até improvisa seus próprios movimentos e sai do script. Mesmo assim ela adora dançar, e isso fica evidente. Mesmo se ela cair de cauda, ​​ela deixa o público sorrindo. Ela tem uma vida fora do estúdio, uma família sólida que torce, não importa o que ela faça, e um sorriso contagiante. Se o balé algum dia deixar de ser divertido, ela simplesmente deixará de fazer, mas tem-se a sensação de que ela nunca se cansará de dançar.

Coloque os dois juntos no palco e os juízes irão preferir Alice, mas o público vai preferir Betty.

O público não vê a forma perfeita de Alice. Eles vêem que ela dança com uma cara de fim de semana chuvoso. Betty transforma uma queda em um movimento de dança peculiar, faz caretas para a criança na primeira fila e ri durante o ato final. Alice pode estar revirando os olhos dos bastidores, mas ela irá para casa se perguntando por que a multidão torceu por aquele absurdo quando tudo ela recebi aplausos educados.

A diferença entre eles é que Alice dança para atender a um padrão & mdash que ela coloca em si mesma ou outro que os outros colocaram em seu & mdash, enquanto Betty dança pela pura alegria da arte. O público que está assistindo pode não perceber o que é uma "performance perfeita", mas sabe quando os dançarinos estão se divertindo. e mesmo aqueles que Faz saber o que é boa forma preferiria ver originalidade, interpretação artística e pura e simples diversão & mdash que Alice muitas vezes não consegue fazer, porque improvisação, invenção e diversão muitas vezes colocam em risco aquele senso de 'perfeição'.

Normalmente, esses dois irão estimular um ao outro competitivamente de alguma forma. Eles podem descobrir que não são tão diferentes em certos aspectos de suas vidas e paixões. Às vezes, Derrota Significa Amizade toma conta e as garotas vão aprender umas com as outras: Alice vai aprender a se soltar e redescobrir a alegria de sua arte, e Betty vai tentar imitar a dedicação e a prática de Alice. Se eles não chegarem a um acordo, isso pode levar a alguns resultados desagradáveis ​​ou um colapso.

A Irmã tropa para Red Oni, Blue Oni, onde o Técnico é o azul oni (frio, metódico, lógico) e o Performer é vermelho (energético, instintivo, emocional). Obviamente, esses dois arquétipos podem se manifestar de maneiras diferentes, dependendo da situação em que estão envolvidos, como:

  • Um artista marcial que usa movimentos precisos e tradicionais versus aquele que dança e usa técnicas não ortodoxas
  • Um pintor de pinturas simplistas e alegres em uma escola de arte cheia de alunos obcecados pela complexidade
  • Um músico que acha as partituras chatas e gosta de jazz com suas próprias variações, para consternação de um membro da banda que pratica com essas partituras há meses

Geralmente, a narrativa será a favor do artista entusiasta (que às vezes tem O Dom, mas nem sempre) ao invés do técnico diligente. Na melhor das hipóteses, o tropo canta os louvores para se divertir e ser único no pior, implica que habilidade técnica significa esterilidade criativa.

Difere ligeiramente de (mas está relacionado a) Hard Work Hardly Works, onde o técnico é inegavelmente melhor no que faz, mas eles são contrastados com um artista brilhante, mas preguiçoso, que é mais divertido de assistir, ou obtém resultados aceitáveis ​​com um fração do esforço. Neste caso, Hard Work Hardly Works acrescenta insulto à injúria, dando superioridade ao preguiçoso alegre habilidade do que aqueles ao seu redor que realmente praticam. Também semelhante a Fraco, mas hábil semelhante no sentido de que há um performer melhor treinado contra um rival mais forte ou mais talentoso, mas diferente em que aquele com o melhor treinamento vence, geralmente por inteligência e habilidade.

Às vezes, Alice e Betty podem se cruzar com Cassie: uma personagem que é técnica e artista. Nesse caso, a experiência de Cassie pode se sobrepor a Talentosa, mas Treinada (talento inato + trabalho duro).

Compare o vilão sem vilões e a equipe esportiva adversária. Também pode ser visto como uma forma de Snobs Vs Slobs, com técnicos meticulosos que prestam atenção aos detalhes como o contraponto para os performers que acreditam em fazer o que vem naturalmente. Em um ambiente militar ou combativo, essa dicotomia pode formar a base para Filosofias de Combate Opostas, junto com Soldado vs. Guerreiro.


Técnico vs. Performer

Um contraste entre um virtuoso perfeccionista e altamente habilidoso e um artista menos habilidoso, porém mais inventivo e original. Este é um enredo comum a histórias que enfocam as artes (geralmente música ou teatro), ou esportes que requerem a mistura de habilidade física com criatividade (como dançar ou patinar).

Alice tem aulas de balé desde que começou a andar. Ela pratica todos os dias, esforçando-se para sempre fazer melhor do que o seu melhor. Ela é a estrela de todas as produções e a aluna premiada de todos os professores. Mas, por mais devotada que seja à sua arte, nem sempre parece aproveitar isto. Ela não tem vida social porque ficará no estúdio muito depois de todos os outros terem ido para casa. Ela tem muitos admiradores, mas poucos amigos verdadeiros. Ela pode até minimizar seu próprio talento, focalizando seus erros em vez de seus sucessos. Se ela for realmente azarada, ela está sobrecarregada com uma Mãe do Palco dominadora.

Betty começou o balé há um ano. Ela nunca chega cedo nem fica tarde. Ela não tem muito interesse em perfeição técnica, e às vezes até improvisa seus próprios movimentos e sai do script. Mesmo assim, ela adora dançar, e isso fica evidente. Mesmo se ela cair de cauda, ​​ela deixa o público sorrindo. Ela tem uma vida fora do estúdio, uma família sólida que torce, não importa o que ela faça, e um sorriso contagiante. Se o balé algum dia deixar de ser divertido, ela simplesmente deixará de fazer, mas tem-se a sensação de que ela nunca se cansará de dançar.

Coloque os dois juntos no palco e os juízes irão preferir Alice, mas o público vai preferir Betty.

O público não vê a forma perfeita de Alice. Eles vêem que ela dança com uma cara de fim de semana chuvoso. Betty transforma uma queda em um movimento de dança peculiar, faz caretas para a criança na primeira fila e ri durante o ato final. Alice pode estar revirando os olhos dos bastidores, mas ela irá para casa se perguntando por que a multidão torceu por aquele absurdo quando tudo ela recebi aplausos educados.

A diferença entre eles é que Alice dança para atender a um padrão & mdash que ela coloca em si mesma ou outro que os outros colocaram em seu & mdash, enquanto Betty dança pela pura alegria da arte. O público que está assistindo pode não perceber o que é uma "performance perfeita", mas sabe quando os dançarinos estão se divertindo. e mesmo aqueles que Faz saber o que é boa forma preferiria ver originalidade, interpretação artística e diversão simples e simples - o que Alice muitas vezes não consegue fazer, porque improvisação, invenção e diversão muitas vezes colocam em risco esse senso de 'perfeição'.

Normalmente, esses dois irão estimular um ao outro competitivamente de alguma forma. Eles podem descobrir que não são tão diferentes em certos aspectos de suas vidas e paixões. Às vezes, Derrota Significa Amizade toma conta e as garotas vão aprender umas com as outras: Alice vai aprender a se soltar e redescobrir a alegria de sua arte, e Betty vai tentar imitar a dedicação e a prática de Alice. Se eles não chegarem a um acordo, isso pode levar a alguns resultados desagradáveis ​​ou um colapso.

A Irmã tropa para Red Oni, Blue Oni, onde o Técnico é o azul oni (frio, metódico, lógico) e o Performer é vermelho (energético, instintivo, emocional). Obviamente, esses dois arquétipos podem se manifestar de maneiras diferentes, dependendo da situação em que estão envolvidos, como:

  • Um artista marcial que usa movimentos precisos e tradicionais versus aquele que dança e usa técnicas não ortodoxas
  • Um pintor de pinturas simplistas e alegres em uma escola de arte cheia de alunos obcecados pela complexidade
  • Um músico que acha as partituras chatas e gosta de jazz com suas próprias variações, para consternação de um membro da banda que pratica com essas partituras há meses

Geralmente, a narrativa será a favor do artista entusiasta (que às vezes tem O Dom, mas nem sempre) ao invés do técnico diligente. Na melhor das hipóteses, o tropo canta os elogios de se divertir e ser único no pior, isso implica que habilidade técnica significa esterilidade criativa.

Difere ligeiramente de (mas está relacionado a) Hard Work Hardly Works, em que o técnico é inegavelmente melhor no que faz, mas eles são contrastados com um artista brilhante, mas preguiçoso que é, em última análise, mais divertido de assistir, ou obtém resultados aceitáveis ​​com um fração do esforço. Neste caso, Hard Work Hardly Works adiciona insulto à injúria, dando ao alegre preguiçoso superior habilidade do que aqueles ao seu redor que realmente praticam. Também semelhante a Fraco, mas hábil semelhante no sentido de que há um performer melhor treinado contra um rival mais forte ou mais talentoso, mas diferente em que aquele com o melhor treinamento vence, geralmente por inteligência e habilidade.

Às vezes, Alice e Betty podem se cruzar com Cassie: uma personagem que é técnica e artista. Nesse caso, a experiência de Cassie pode se sobrepor a Talentosa, mas Treinada (talento inato + trabalho duro).

Compare o vilão sem vilões e a equipe esportiva adversária. Também pode ser visto como uma forma de Snobs Vs Slobs, com técnicos meticulosos que prestam atenção aos detalhes como o contraponto para os performers que acreditam em fazer o que vem naturalmente. Em um cenário militar ou combativo, essa dicotomia pode formar a base para Filosofias de Combate Opostas, junto com Soldado vs. Guerreiro.


Técnico vs. Performer

Um contraste entre um virtuoso perfeccionista e altamente habilidoso e um artista menos habilidoso, porém mais inventivo e original. Este é um enredo comum a histórias que enfocam as artes (geralmente música ou teatro), ou esportes que requerem a mistura de habilidade física com criatividade (como dançar ou patinar).

Alice tem aulas de balé desde que começou a andar. Ela pratica todos os dias, esforçando-se para sempre fazer melhor do que o seu melhor. Ela é a estrela de todas as produções e a aluna premiada de todos os professores. Mas, por mais devotada que seja à sua arte, nem sempre parece aproveitar isto. Ela não tem vida social porque ficará no estúdio muito depois de todos os outros terem ido para casa. Ela tem muitos admiradores, mas poucos amigos verdadeiros. Ela pode até minimizar seu próprio talento, focalizando seus erros em vez de seus sucessos. Se ela for realmente azarada, ela está sobrecarregada com uma Mãe do Palco dominadora.

Betty começou o balé há um ano. Ela nunca chega cedo nem fica tarde. Ela não tem muito interesse em perfeição técnica, e às vezes até improvisa seus próprios movimentos e sai do script. Mesmo assim, ela adora dançar, e isso fica evidente. Mesmo se ela cair de cauda, ​​ela deixa o público sorrindo. Ela tem uma vida fora do estúdio, uma família sólida que torce, não importa o que ela faça, e um sorriso contagiante. Se o balé algum dia deixar de ser divertido, ela simplesmente deixará de fazê-lo, mas tem-se a sensação de que ela nunca se cansará de dançar.

Coloque os dois juntos no palco e os juízes irão preferir Alice, mas o público vai preferir Betty.

O público não vê a forma perfeita de Alice. Eles vêem que ela dança com uma cara de fim de semana chuvoso. Betty transforma uma queda em um movimento de dança peculiar, faz caretas para a criança na primeira fila e ri durante o ato final. Alice pode estar revirando os olhos dos bastidores, mas ela irá para casa se perguntando por que a multidão torceu por aquele absurdo quando tudo ela recebi aplausos educados.

A diferença entre eles é que Alice dança para atender a um padrão & mdash que ela coloca em si mesma ou outro que os outros colocaram em seu & mdash, enquanto Betty dança pela pura alegria da arte. O público que está assistindo pode não perceber o que é uma "performance perfeita", mas sabe quando os dançarinos estão se divertindo. e mesmo aqueles que Faz saber o que é boa forma preferiria ver originalidade, interpretação artística e pura e simples diversão & mdash que Alice muitas vezes não consegue fazer, porque improvisação, invenção e diversão muitas vezes colocam em risco aquele senso de 'perfeição'.

Normalmente, esses dois irão estimular um ao outro competitivamente de alguma forma. Eles podem descobrir que não são tão diferentes em certos aspectos de suas vidas e paixões. Às vezes, Derrota Significa Amizade toma conta e as garotas vão aprender umas com as outras: Alice vai aprender a se soltar e redescobrir a alegria de sua arte, e Betty vai tentar imitar a dedicação e a prática de Alice. Se eles não chegarem a um acordo, isso pode levar a alguns resultados desagradáveis ​​ou um colapso.

A Irmã tropa para Red Oni, Blue Oni, onde o Técnico é o azul oni (frio, metódico, lógico) e o Performer é vermelho (energético, instintivo, emocional). Obviamente, esses dois arquétipos podem se manifestar de maneiras diferentes, dependendo da situação em que estão envolvidos, como:

  • Um artista marcial que usa movimentos precisos e tradicionais versus aquele que dança e usa técnicas não ortodoxas
  • Um pintor de pinturas simplistas e alegres em uma escola de arte cheia de alunos obcecados pela complexidade
  • Um músico que acha as partituras chatas e gosta de jazz com suas próprias variações, para consternação de um membro da banda que pratica com essas partituras há meses

Geralmente, a narrativa será a favor do artista entusiasta (que às vezes tem O Dom, mas nem sempre) ao invés do técnico diligente. Na melhor das hipóteses, o tropo canta os elogios de se divertir e ser único no pior, isso implica que habilidade técnica significa esterilidade criativa.

Difere ligeiramente de (mas está relacionado a) Hard Work Hardly Works, em que o técnico é inegavelmente melhor no que faz, mas eles são contrastados com um artista brilhante, mas preguiçoso que é, em última análise, mais divertido de assistir, ou obtém resultados aceitáveis ​​com um fração do esforço. Neste caso, Hard Work Hardly Works acrescenta insulto à injúria, dando superioridade ao preguiçoso alegre habilidade do que aqueles ao seu redor que realmente praticam. Também semelhante a Fraco, mas hábil semelhante no sentido de que há um performer melhor treinado contra um rival mais forte ou mais talentoso, mas diferente em que aquele com o melhor treinamento vence, geralmente por inteligência e habilidade.

Às vezes, Alice e Betty podem se cruzar com Cassie: uma personagem que é técnica e artista. Nesse caso, a experiência de Cassie pode se sobrepor a Talentosa, mas Treinada (talento inato + trabalho duro).

Compare o vilão sem vilões e a equipe esportiva adversária. Também pode ser visto como uma forma de Snobs Vs Slobs, com técnicos meticulosos que prestam atenção aos detalhes como o contraponto para os performers que acreditam em fazer o que vem naturalmente. Em um cenário militar ou combativo, essa dicotomia pode formar a base para Filosofias de Combate Opostas, junto com Soldado vs. Guerreiro.


Técnico vs. Performer

Um contraste entre um virtuoso perfeccionista e altamente habilidoso e um artista menos habilidoso, porém mais inventivo e original. Este é um enredo comum a histórias que enfocam as artes (geralmente música ou teatro), ou esportes que requerem a mistura de habilidade física com criatividade (como dançar ou patinar).

Alice está nas aulas de balé desde que começou a andar. Ela pratica todos os dias, esforçando-se para sempre fazer melhor do que o seu melhor. Ela é a estrela de todas as produções e a aluna premiada de todos os professores. Mas, por mais devotada que seja à sua arte, nem sempre parece aproveitar isto. Ela não tem vida social porque ficará no estúdio muito depois de todos os outros terem ido para casa. Ela tem muitos admiradores, mas poucos amigos verdadeiros. Ela pode até minimizar seu próprio talento, focalizando seus erros em vez de seus sucessos. Se ela for realmente azarada, ela está sobrecarregada com uma Mãe do Palco dominadora.

Betty começou o balé há um ano. Ela nunca chega cedo nem fica tarde. Ela não tem muito interesse em perfeição técnica, e às vezes até improvisa seus próprios movimentos e sai do script. Mesmo assim ela adora dançar, e isso fica evidente. Mesmo se ela cair de cauda, ​​ela deixa o público sorrindo. Ela tem uma vida fora do estúdio, uma família sólida que torce, não importa o que ela faça, e um sorriso contagiante. Se o balé algum dia deixar de ser divertido, ela simplesmente deixará de fazê-lo, mas tem-se a sensação de que ela nunca se cansará de dançar.

Coloque os dois juntos no palco e os juízes irão preferir Alice, mas o público vai preferir Betty.

O público não vê a forma perfeita de Alice. Eles vêem que ela dança com uma cara de fim de semana chuvoso. Betty transforma uma queda em um movimento de dança peculiar, faz caretas para a criança na primeira fila e ri durante o ato final. Alice pode estar revirando os olhos dos bastidores, mas ela irá para casa se perguntando por que a multidão torceu por aquele absurdo quando tudo ela recebi aplausos educados.

A diferença entre eles é que Alice dança para atender a um padrão & mdash que ela coloca em si mesma ou outro que os outros colocaram em seu & mdash, enquanto Betty dança pela pura alegria da arte. O público que está assistindo pode não perceber o que é uma "performance perfeita", mas sabe quando os dançarinos estão se divertindo. e mesmo aqueles que Faz saber o que é boa forma preferiria ver originalidade, interpretação artística e diversão simples e simples - o que Alice muitas vezes não consegue fazer, porque improvisação, invenção e diversão muitas vezes colocam em risco esse senso de 'perfeição'.

Normalmente, esses dois irão estimular um ao outro competitivamente de alguma forma. Eles podem descobrir que não são tão diferentes em certos aspectos de suas vidas e paixões. Às vezes, Derrota Significa Amizade toma conta e as garotas vão aprender umas com as outras: Alice vai aprender a se soltar e redescobrir a alegria de sua arte, e Betty vai tentar imitar a dedicação e a prática de Alice. Se eles não chegarem a um acordo, isso pode levar a alguns resultados desagradáveis ​​ou um colapso.

A Irmã tropa para Red Oni, Blue Oni, onde o Técnico é o azul oni (frio, metódico, lógico) e o Performer é vermelho (energético, instintivo, emocional). Obviamente, esses dois arquétipos podem se manifestar de maneiras diferentes, dependendo da situação em que estão envolvidos, como:

  • Um artista marcial que usa movimentos precisos e tradicionais versus aquele que dança e usa técnicas não ortodoxas
  • Um pintor de pinturas simplistas e alegres em uma escola de arte cheia de alunos obcecados pela complexidade
  • Um músico que acha as partituras chatas e gosta de jazz com suas próprias variações, para consternação de um membro da banda que pratica com essas partituras há meses

Geralmente, a narrativa será a favor do artista entusiasta (que às vezes tem O Dom, mas nem sempre) ao invés do técnico diligente. Na melhor das hipóteses, o tropo canta os elogios de se divertir e ser único no pior, isso implica que habilidade técnica significa esterilidade criativa.

Difere ligeiramente de (mas está relacionado a) Hard Work Hardly Works, onde o técnico é inegavelmente melhor no que faz, mas eles são contrastados com um artista brilhante, mas preguiçoso, que é mais divertido de assistir, ou obtém resultados aceitáveis ​​com um fração do esforço. Neste caso, Hard Work Hardly Works adiciona insulto à injúria, dando ao alegre preguiçoso superior habilidade do que aqueles ao seu redor que realmente praticam. Também semelhante a Fraco, mas hábil semelhante no sentido de que há um performer melhor treinado contra um rival mais forte ou mais talentoso, mas diferente em que aquele com o melhor treinamento vence, geralmente por inteligência e habilidade.

Às vezes, Alice e Betty podem se cruzar com Cassie: uma personagem que é técnica e artista. Nesse caso, a experiência de Cassie pode se sobrepor a Talentosa, mas Treinada (talento inato + trabalho duro).

Compare o vilão sem vilões e a equipe esportiva adversária. Também pode ser visto como uma forma de Snobs Vs Slobs, com técnicos meticulosos que prestam atenção aos detalhes como o contraponto para os performers que acreditam em fazer o que vem naturalmente. Em um cenário militar ou combativo, essa dicotomia pode formar a base para Filosofias de Combate Opostas, junto com Soldado vs. Guerreiro.


Técnico vs. Performer

Um contraste entre um virtuoso perfeccionista e altamente habilidoso e um artista menos habilidoso, porém mais inventivo e original. Este é um enredo comum a histórias que enfocam as artes (geralmente música ou teatro), ou esportes que requerem a mistura de habilidade física com criatividade (como dançar ou patinar).

Alice está nas aulas de balé desde que começou a andar. Ela pratica todos os dias, esforçando-se para sempre fazer melhor do que o seu melhor. Ela é a estrela de todas as produções e a aluna premiada de todos os professores. Mas, por mais devotada que seja à sua arte, nem sempre parece aproveitar isto. Ela não tem vida social porque ficará no estúdio muito depois de todos os outros terem ido para casa. Ela tem muitos admiradores, mas poucos amigos verdadeiros. Ela pode até minimizar seu próprio talento, focalizando seus erros em vez de seus sucessos. Se ela for realmente azarada, ela está sobrecarregada com uma Mãe do Palco dominadora.

Betty começou o balé há um ano. Ela nunca chega cedo nem fica tarde. Ela não tem muito interesse em perfeição técnica, e às vezes até improvisa seus próprios movimentos e sai do script. Mesmo assim ela adora dançar, e isso fica evidente. Mesmo se ela cair de cauda, ​​ela deixa o público sorrindo. Ela tem uma vida fora do estúdio, uma família sólida que torce, não importa o que ela faça, e um sorriso contagiante. Se o balé algum dia deixar de ser divertido, ela simplesmente deixará de fazê-lo, mas tem-se a sensação de que ela nunca se cansará de dançar.

Coloque os dois juntos no palco e os juízes irão preferir Alice, mas o público vai preferir Betty.

O público não vê a forma perfeita de Alice. Eles vêem que ela dança com uma cara de fim de semana chuvoso. Betty transforma uma queda em um movimento de dança peculiar, faz caretas para a criança na primeira fila e ri durante o ato final. Alice pode estar revirando os olhos dos bastidores, mas ela irá para casa se perguntando por que a multidão torceu por aquele absurdo quando tudo ela recebi aplausos educados.

A diferença entre eles é que Alice dança para atender a um padrão & mdash que ela coloca em si mesma ou outro que os outros colocaram em seu & mdash, enquanto Betty dança pela pura alegria da arte. O público que está assistindo pode não perceber o que é uma "performance perfeita", mas sabe quando os dançarinos estão se divertindo. e mesmo aqueles que Faz saber o que é boa forma preferiria ver originalidade, interpretação artística e diversão simples e simples - o que Alice muitas vezes não consegue fazer, porque improvisação, invenção e diversão muitas vezes colocam em risco esse senso de 'perfeição'.

Normalmente, esses dois irão estimular um ao outro competitivamente de alguma forma. They may find that they're Not So Different in certain aspects of their lives and passions. Sometimes, Defeat Means Friendship will take hold, and the girls will learn from each other: Alice will learn to loosen up and rediscover the joy of her art, and Betty will try and emulate Alice's dedication and practice. If they don't come to terms, it can lead to some nasty results or a breakdown.

A Sister Trope to Red Oni, Blue Oni, where the Technician is the blue oni (cool, methodical, logical) and the Performer is red (energetic, instinctive, emotional). Obviously, these two archetypes can manifest differently depending on the situation they're involved in, such as:

  • A martial artist who uses precise, traditional moves vs one who dances around and uses unorthodox techniques
  • A painter of simplistic, cheerful paintings in an art school full of students obsessed with complexity
  • A musician who finds sheet music boring and likes to jazz them up with their own variations, to the consternation of a band member who has been practicing with that sheet music for months

Generally, the narrative will be in favor of the enthusiastic performer (who sometimes has The Gift, but not always) rather than the diligent technician. At its best, the trope sings the praises of enjoying yourself and being unique at its worst, it implies that technical skill means Creative Sterility.

Differs slightly from (but is related to) Hard Work Hardly Works, where the technician is undeniably better at what they do, but they are contrasted with a Brilliant, but Lazy performer who is ultimately more fun to watch, or gets acceptable results with a fraction of the effort. In this case, Hard Work Hardly Works adds insult to injury by giving the cheerful slacker superior skill than those around them who actually practice. Also similar to Weak, but Skilled similar in that there is a better trained performer against a stronger or more talented rival, but different in that the one with the best training wins, usually through cleverness and skill.

At times, Alice and Betty may cross paths with Cassie: a character who is both technician e performer. In this case, Cassie's background may overlap with Talented, but Trained (innate talent + hard work).

Contrast the Villainy-Free Villain and Opposing Sports Team. Could also be seen as a form of Snobs Vs Slobs, with fastidious technicians who pay attention to detail as the foil for performers who believe in doing what comes naturally. In a military or combative setting, this dichotomy may form the basis for Opposing Combat Philosophies, along with Soldier vs. Warrior.


Technician vs. Performer

A contrast between a highly-skilled, perfectionist virtuoso and a less-skilled, but more inventive and original artist. This is a plot common to stories that focus on the arts (usually music or theater), or sports that require mixing physical ability with creativity (such as dancing or skating).

Alice has been in ballet classes since she could walk. She practices every day, pushing herself to always do better than her best. She's the star of every production and the prize pupil of every teacher. But as devoted as she is to her art, she doesn't always seem to aproveitar it. She has no social life because she'll be at the studio long after everyone else has gone home. She has many admirers but few real friends. She may even downplay her own talent, focusing on her mistakes rather than her successes. If she's really unlucky, she's burdened with a domineering Stage Mom.

Betty started ballet a year ago. She never arrives early nor stays late. She doesn't have much interest in technical perfection, and sometimes she'll even improvise her own moves and go off script. Nevertheless she loves to dance, and it shows. Even if she lands flat on her tail, she leaves the audience smiling. She has a life outside the studio, a solid family who cheers no matter what she does, and an infectious grin. If ballet ever stops being fun, she'll just stop doing it, but one gets the sense that she'll never get tired of dancing.

Put the two on stage together and the judges will prefer Alice, but the audience will prefer Betty.

The audience doesn't see Alice's perfect form. They see that she dances with a face like a wet weekend. Betty turns a pratfall into a quirky dance move, makes faces at the kid in the front row, and laughs her way through the final act. Alice may be rolling her eyes from backstage, but she will go home wondering why the crowd cheered for that nonsense when all she got was polite applause.

The difference between them is that Alice dances to meet a standard &mdash either one she puts on herself or one others have put on her &mdash while Betty dances for the sheer joy of the art. The watching audience may not realize what a "perfect performance" is, but they know when the dancers are enjoying themselves. and even those who Faz know what good form is would rather see originality, artistic interpretation, and plain simple fun &mdash which Alice often can't do, because improvisation, invention, and fun often risk that sense of 'perfection'.

Typically, these two will spur each other competitively in some way. They may find that they're Not So Different in certain aspects of their lives and passions. Sometimes, Defeat Means Friendship will take hold, and the girls will learn from each other: Alice will learn to loosen up and rediscover the joy of her art, and Betty will try and emulate Alice's dedication and practice. If they don't come to terms, it can lead to some nasty results or a breakdown.

A Sister Trope to Red Oni, Blue Oni, where the Technician is the blue oni (cool, methodical, logical) and the Performer is red (energetic, instinctive, emotional). Obviously, these two archetypes can manifest differently depending on the situation they're involved in, such as:

  • A martial artist who uses precise, traditional moves vs one who dances around and uses unorthodox techniques
  • A painter of simplistic, cheerful paintings in an art school full of students obsessed with complexity
  • A musician who finds sheet music boring and likes to jazz them up with their own variations, to the consternation of a band member who has been practicing with that sheet music for months

Generally, the narrative will be in favor of the enthusiastic performer (who sometimes has The Gift, but not always) rather than the diligent technician. At its best, the trope sings the praises of enjoying yourself and being unique at its worst, it implies that technical skill means Creative Sterility.

Differs slightly from (but is related to) Hard Work Hardly Works, where the technician is undeniably better at what they do, but they are contrasted with a Brilliant, but Lazy performer who is ultimately more fun to watch, or gets acceptable results with a fraction of the effort. In this case, Hard Work Hardly Works adds insult to injury by giving the cheerful slacker superior skill than those around them who actually practice. Also similar to Weak, but Skilled similar in that there is a better trained performer against a stronger or more talented rival, but different in that the one with the best training wins, usually through cleverness and skill.

At times, Alice and Betty may cross paths with Cassie: a character who is both technician e performer. In this case, Cassie's background may overlap with Talented, but Trained (innate talent + hard work).

Contrast the Villainy-Free Villain and Opposing Sports Team. Could also be seen as a form of Snobs Vs Slobs, with fastidious technicians who pay attention to detail as the foil for performers who believe in doing what comes naturally. In a military or combative setting, this dichotomy may form the basis for Opposing Combat Philosophies, along with Soldier vs. Warrior.


Technician vs. Performer

A contrast between a highly-skilled, perfectionist virtuoso and a less-skilled, but more inventive and original artist. This is a plot common to stories that focus on the arts (usually music or theater), or sports that require mixing physical ability with creativity (such as dancing or skating).

Alice has been in ballet classes since she could walk. She practices every day, pushing herself to always do better than her best. She's the star of every production and the prize pupil of every teacher. But as devoted as she is to her art, she doesn't always seem to aproveitar it. She has no social life because she'll be at the studio long after everyone else has gone home. She has many admirers but few real friends. She may even downplay her own talent, focusing on her mistakes rather than her successes. If she's really unlucky, she's burdened with a domineering Stage Mom.

Betty started ballet a year ago. She never arrives early nor stays late. She doesn't have much interest in technical perfection, and sometimes she'll even improvise her own moves and go off script. Nevertheless she loves to dance, and it shows. Even if she lands flat on her tail, she leaves the audience smiling. She has a life outside the studio, a solid family who cheers no matter what she does, and an infectious grin. If ballet ever stops being fun, she'll just stop doing it, but one gets the sense that she'll never get tired of dancing.

Put the two on stage together and the judges will prefer Alice, but the audience will prefer Betty.

The audience doesn't see Alice's perfect form. They see that she dances with a face like a wet weekend. Betty turns a pratfall into a quirky dance move, makes faces at the kid in the front row, and laughs her way through the final act. Alice may be rolling her eyes from backstage, but she will go home wondering why the crowd cheered for that nonsense when all she got was polite applause.

The difference between them is that Alice dances to meet a standard &mdash either one she puts on herself or one others have put on her &mdash while Betty dances for the sheer joy of the art. The watching audience may not realize what a "perfect performance" is, but they know when the dancers are enjoying themselves. and even those who Faz know what good form is would rather see originality, artistic interpretation, and plain simple fun &mdash which Alice often can't do, because improvisation, invention, and fun often risk that sense of 'perfection'.

Typically, these two will spur each other competitively in some way. They may find that they're Not So Different in certain aspects of their lives and passions. Sometimes, Defeat Means Friendship will take hold, and the girls will learn from each other: Alice will learn to loosen up and rediscover the joy of her art, and Betty will try and emulate Alice's dedication and practice. If they don't come to terms, it can lead to some nasty results or a breakdown.

A Sister Trope to Red Oni, Blue Oni, where the Technician is the blue oni (cool, methodical, logical) and the Performer is red (energetic, instinctive, emotional). Obviously, these two archetypes can manifest differently depending on the situation they're involved in, such as:

  • A martial artist who uses precise, traditional moves vs one who dances around and uses unorthodox techniques
  • A painter of simplistic, cheerful paintings in an art school full of students obsessed with complexity
  • A musician who finds sheet music boring and likes to jazz them up with their own variations, to the consternation of a band member who has been practicing with that sheet music for months

Generally, the narrative will be in favor of the enthusiastic performer (who sometimes has The Gift, but not always) rather than the diligent technician. At its best, the trope sings the praises of enjoying yourself and being unique at its worst, it implies that technical skill means Creative Sterility.

Differs slightly from (but is related to) Hard Work Hardly Works, where the technician is undeniably better at what they do, but they are contrasted with a Brilliant, but Lazy performer who is ultimately more fun to watch, or gets acceptable results with a fraction of the effort. In this case, Hard Work Hardly Works adds insult to injury by giving the cheerful slacker superior skill than those around them who actually practice. Also similar to Weak, but Skilled similar in that there is a better trained performer against a stronger or more talented rival, but different in that the one with the best training wins, usually through cleverness and skill.

At times, Alice and Betty may cross paths with Cassie: a character who is both technician e performer. In this case, Cassie's background may overlap with Talented, but Trained (innate talent + hard work).

Contrast the Villainy-Free Villain and Opposing Sports Team. Could also be seen as a form of Snobs Vs Slobs, with fastidious technicians who pay attention to detail as the foil for performers who believe in doing what comes naturally. In a military or combative setting, this dichotomy may form the basis for Opposing Combat Philosophies, along with Soldier vs. Warrior.


Technician vs. Performer

A contrast between a highly-skilled, perfectionist virtuoso and a less-skilled, but more inventive and original artist. This is a plot common to stories that focus on the arts (usually music or theater), or sports that require mixing physical ability with creativity (such as dancing or skating).

Alice has been in ballet classes since she could walk. She practices every day, pushing herself to always do better than her best. She's the star of every production and the prize pupil of every teacher. But as devoted as she is to her art, she doesn't always seem to aproveitar it. She has no social life because she'll be at the studio long after everyone else has gone home. She has many admirers but few real friends. She may even downplay her own talent, focusing on her mistakes rather than her successes. If she's really unlucky, she's burdened with a domineering Stage Mom.

Betty started ballet a year ago. She never arrives early nor stays late. She doesn't have much interest in technical perfection, and sometimes she'll even improvise her own moves and go off script. Nevertheless she loves to dance, and it shows. Even if she lands flat on her tail, she leaves the audience smiling. She has a life outside the studio, a solid family who cheers no matter what she does, and an infectious grin. If ballet ever stops being fun, she'll just stop doing it, but one gets the sense that she'll never get tired of dancing.

Put the two on stage together and the judges will prefer Alice, but the audience will prefer Betty.

The audience doesn't see Alice's perfect form. They see that she dances with a face like a wet weekend. Betty turns a pratfall into a quirky dance move, makes faces at the kid in the front row, and laughs her way through the final act. Alice may be rolling her eyes from backstage, but she will go home wondering why the crowd cheered for that nonsense when all she got was polite applause.

The difference between them is that Alice dances to meet a standard &mdash either one she puts on herself or one others have put on her &mdash while Betty dances for the sheer joy of the art. The watching audience may not realize what a "perfect performance" is, but they know when the dancers are enjoying themselves. and even those who Faz know what good form is would rather see originality, artistic interpretation, and plain simple fun &mdash which Alice often can't do, because improvisation, invention, and fun often risk that sense of 'perfection'.

Typically, these two will spur each other competitively in some way. They may find that they're Not So Different in certain aspects of their lives and passions. Sometimes, Defeat Means Friendship will take hold, and the girls will learn from each other: Alice will learn to loosen up and rediscover the joy of her art, and Betty will try and emulate Alice's dedication and practice. If they don't come to terms, it can lead to some nasty results or a breakdown.

A Sister Trope to Red Oni, Blue Oni, where the Technician is the blue oni (cool, methodical, logical) and the Performer is red (energetic, instinctive, emotional). Obviously, these two archetypes can manifest differently depending on the situation they're involved in, such as:

  • A martial artist who uses precise, traditional moves vs one who dances around and uses unorthodox techniques
  • A painter of simplistic, cheerful paintings in an art school full of students obsessed with complexity
  • A musician who finds sheet music boring and likes to jazz them up with their own variations, to the consternation of a band member who has been practicing with that sheet music for months

Generally, the narrative will be in favor of the enthusiastic performer (who sometimes has The Gift, but not always) rather than the diligent technician. At its best, the trope sings the praises of enjoying yourself and being unique at its worst, it implies that technical skill means Creative Sterility.

Differs slightly from (but is related to) Hard Work Hardly Works, where the technician is undeniably better at what they do, but they are contrasted with a Brilliant, but Lazy performer who is ultimately more fun to watch, or gets acceptable results with a fraction of the effort. In this case, Hard Work Hardly Works adds insult to injury by giving the cheerful slacker superior skill than those around them who actually practice. Also similar to Weak, but Skilled similar in that there is a better trained performer against a stronger or more talented rival, but different in that the one with the best training wins, usually through cleverness and skill.

At times, Alice and Betty may cross paths with Cassie: a character who is both technician e performer. In this case, Cassie's background may overlap with Talented, but Trained (innate talent + hard work).

Contrast the Villainy-Free Villain and Opposing Sports Team. Could also be seen as a form of Snobs Vs Slobs, with fastidious technicians who pay attention to detail as the foil for performers who believe in doing what comes naturally. In a military or combative setting, this dichotomy may form the basis for Opposing Combat Philosophies, along with Soldier vs. Warrior.


Technician vs. Performer

A contrast between a highly-skilled, perfectionist virtuoso and a less-skilled, but more inventive and original artist. This is a plot common to stories that focus on the arts (usually music or theater), or sports that require mixing physical ability with creativity (such as dancing or skating).

Alice has been in ballet classes since she could walk. She practices every day, pushing herself to always do better than her best. She's the star of every production and the prize pupil of every teacher. But as devoted as she is to her art, she doesn't always seem to aproveitar it. She has no social life because she'll be at the studio long after everyone else has gone home. She has many admirers but few real friends. She may even downplay her own talent, focusing on her mistakes rather than her successes. If she's really unlucky, she's burdened with a domineering Stage Mom.

Betty started ballet a year ago. She never arrives early nor stays late. She doesn't have much interest in technical perfection, and sometimes she'll even improvise her own moves and go off script. Nevertheless she loves to dance, and it shows. Even if she lands flat on her tail, she leaves the audience smiling. She has a life outside the studio, a solid family who cheers no matter what she does, and an infectious grin. If ballet ever stops being fun, she'll just stop doing it, but one gets the sense that she'll never get tired of dancing.

Put the two on stage together and the judges will prefer Alice, but the audience will prefer Betty.

The audience doesn't see Alice's perfect form. They see that she dances with a face like a wet weekend. Betty turns a pratfall into a quirky dance move, makes faces at the kid in the front row, and laughs her way through the final act. Alice may be rolling her eyes from backstage, but she will go home wondering why the crowd cheered for that nonsense when all she got was polite applause.

The difference between them is that Alice dances to meet a standard &mdash either one she puts on herself or one others have put on her &mdash while Betty dances for the sheer joy of the art. The watching audience may not realize what a "perfect performance" is, but they know when the dancers are enjoying themselves. and even those who Faz know what good form is would rather see originality, artistic interpretation, and plain simple fun &mdash which Alice often can't do, because improvisation, invention, and fun often risk that sense of 'perfection'.

Typically, these two will spur each other competitively in some way. They may find that they're Not So Different in certain aspects of their lives and passions. Sometimes, Defeat Means Friendship will take hold, and the girls will learn from each other: Alice will learn to loosen up and rediscover the joy of her art, and Betty will try and emulate Alice's dedication and practice. If they don't come to terms, it can lead to some nasty results or a breakdown.

A Sister Trope to Red Oni, Blue Oni, where the Technician is the blue oni (cool, methodical, logical) and the Performer is red (energetic, instinctive, emotional). Obviously, these two archetypes can manifest differently depending on the situation they're involved in, such as:

  • A martial artist who uses precise, traditional moves vs one who dances around and uses unorthodox techniques
  • A painter of simplistic, cheerful paintings in an art school full of students obsessed with complexity
  • A musician who finds sheet music boring and likes to jazz them up with their own variations, to the consternation of a band member who has been practicing with that sheet music for months

Generally, the narrative will be in favor of the enthusiastic performer (who sometimes has The Gift, but not always) rather than the diligent technician. At its best, the trope sings the praises of enjoying yourself and being unique at its worst, it implies that technical skill means Creative Sterility.

Differs slightly from (but is related to) Hard Work Hardly Works, where the technician is undeniably better at what they do, but they are contrasted with a Brilliant, but Lazy performer who is ultimately more fun to watch, or gets acceptable results with a fraction of the effort. In this case, Hard Work Hardly Works adds insult to injury by giving the cheerful slacker superior skill than those around them who actually practice. Also similar to Weak, but Skilled similar in that there is a better trained performer against a stronger or more talented rival, but different in that the one with the best training wins, usually through cleverness and skill.

At times, Alice and Betty may cross paths with Cassie: a character who is both technician e performer. In this case, Cassie's background may overlap with Talented, but Trained (innate talent + hard work).

Contrast the Villainy-Free Villain and Opposing Sports Team. Could also be seen as a form of Snobs Vs Slobs, with fastidious technicians who pay attention to detail as the foil for performers who believe in doing what comes naturally. In a military or combative setting, this dichotomy may form the basis for Opposing Combat Philosophies, along with Soldier vs. Warrior.


Assista o vídeo: COMO FAZER COUVE FLOR E BRÓCOLIS REFOGADO - CANAL APRENDIZ 219 (Novembro 2021).