Receitas tradicionais

Estados com mais Taco Bells e o que isso significa

Estados com mais Taco Bells e o que isso significa

Ao longo dos anos, Taco Bell nos disse para "Correr para a fronteira", "Pense fora do pão" e, mais recentemente, para "Live Mas". Sua marca sempre foi clara: Taco Bell é um lugar para romper com a comida padrão de fast food. Enquanto outras cadeias de fast food geralmente vendem os mesmos hambúrgueres e batatas fritas ou frango frito e salada de repolho, Taco Bell é um lugar para algo um pouco picante e diferente, algo que tem pouca semelhança com a comida mexicana real.

Clique aqui para ler mais sobre os estados com mais Taco Bells e o que isso significa (apresentação de slides)

Os detratores da Taco Bell há muito reclamam que a rede gigante era tão mexicana quanto uma torta de maçã, mas essas reclamações não impediram a empresa de se tornar a oitava mais popular no país, com 5.604 locais em todos os cinquenta estados. Entramos em contato com a Taco Bell para comentar o porquê disso, mas não recebemos resposta até o momento da publicação. Os defensores apontam para o número de Taco Bells em estados com grandes populações hispânicas como prova de que todos, mesmo pessoas com conhecimento de primeira mão da autêntica culinária mexicana, comem burritos no The Bell.

Mas isso é realmente verdadeiro? A população hispânica de um estado afeta o número geral de Taco Bells? Bem, certamente não é o caso no México. A Taco Bell há muito tenta realmente mover seu menu gringo-izado para o sul da fronteira e falha em todas as etapas. “É como trazer gelo para o Ártico”, lamentou o historiador da cultura pop Carlos Monsiváis quando a Taco Bell tentou abrir um local em Monterrey, no México, em 2007, após um hiato de 15 anos. O local foi fechado em 2010, provando mais uma vez que o México simplesmente não estava interessado.

Mas e aqui na América? Os estados com maior população hispânica realmente têm mais Taco Bells?

A resposta é sim, mas também é complicado. Para conduzir esse experimento, observamos os estados com mais Taco Bells e, em seguida, analisamos sua população hispânica e sua população geral. Também comparamos o número de Taco Bell em cada estado com o número de Wendy's (a rede mais próxima em tamanho à Taco Bell, com 5.877 locais).

Embora a Califórnia, o Texas e a Flórida tenham o primeiro, segundo e terceiro lugar para o maior número de Taco Bells e estejam entre os 10 primeiros para as populações hispânicas mais altas, eles também estão entre os cinco principais estados mais populosos em geral, o que significa que mais pessoas em um estado provavelmente significa mais fast food em geral. No entanto, o Novo México e o Arizona, embora abriguem algumas das maiores populações hispânicas do país, ocupam o 36º e 15º lugar na população geral. Seus números de Taco Bells, 46 e 192, se correlacionam mais de perto com o tamanho da população geral do que a maior porcentagem de hispânicos. New Jersey, embora seja 18% hispânica, tem apenas 99 Taco Bells. Enquanto isso, oito entre dez dos estados mais populosos do país entraram na lista, e seu número de Taco Bells foi, na maioria dos casos, igual ao de seu número de Wendy's. Clique na apresentação de slides dos dez principais estados com mais Taco Bells para examinar os números um pouco mais de perto e resolver o grande debate sobre Taco de uma vez por todas.

Número 10: Nova York, 199 Taco Bells

Nova York tem a terceira maior população dos EUA e a quarta maior população hispânica. O total de 199 Taco Bells é na verdade um pouco baixo para um estado deste tamanho. Em comparação, Nova York tem 243 Wendy's.

Número 9: (Empate) Indiana / Tennessee 218

Indiana e Tennessee não estão na lista dos dez primeiros estados com as maiores populações hispânicas. Na verdade, ambos os estados têm menos de 7% da população hispânica. Eles não parecem ter favoritos quando se trata de fast food, com 218 locais da Taco Bell junto com 201 Wendy's em Indiana e 206 no Tennessee.

Continue lendo para saber mais sobre os Estados com mais Taco Bells e o que isso significa


Os 3 mais belos Taco Bells dos EUA, incluindo um com vista para o mar

Serei honesto: quando penso em "lanchonete de fast food", normalmente não penso: "Uau, NÃO POSSO ESPERAR PARA VER O QUE PARECE!" Mas, uh, pessoal? Estou corrigido: os locais mais bonitos da Taco Bell nos Estados Unidos, na verdade estão algo para escrever para casa. Além de serem inesperadamente bonitos, eles também são únicos - e muito específicos para as cidades em que estão baseados. Quem diria que Taco Bell se tornaria um destino turístico legítimo?

A história da Taco Bell, na verdade, data mais antiga do que a maioria das pessoas provavelmente pensa (embora não tão antiga quanto, digamos, o McDonald's). O fundador da rede e homônimo, Glen Bell, abriu sua primeira lanchonete de fast food em San Bernardino, Califórnia, em 1948 - mas não era um restaurante Tex-Mex, era uma barraca de cachorro-quente. Ele seguiu essa aventura com um segundo hambúrguer e cachorro-quente em 1950, e depois de fazer amizade com o proprietário do restaurante de tacos do outro lado da rua e aprender a fazer tacos com casca dura, ele abriu um terceiro local chamado Taco-Tia. No início da década de 1960, Bell abriu uma série de outros pontos de taco - quatro dos quais eram chamados de El Taco - que ele acabou vendendo a um parceiro de negócios. Foi nesse ponto que ele abriu o primeiro Taco Bell em Downey, Califórnia, e, bem ... aqui estamos.

Nos últimos anos, a Taco Bell, que agora pertence à Yum! Brands, tem aumentado seu portfólio um pouco além do Taco Bells regular, dos quais existem cerca de 7.000 em todo o mundo, agora opera um punhado de pontos urbanos em linha e Taco Bell Cantinas. O conceito Cantina, que abriu seu primeiro local em Chicago em 2015, inclui não apenas o menu Taco Bell padrão, mas também coisas como um menu "compartilhável" e - talvez o mais notável - álcool na forma de cerveja, vinho e fortificado Congela.

As Cantinas tendem a ser os restaurantes mais exclusivos do grupo, então não é surpresa que os locais mais bonitos do Taco Bell também sejam geralmente Cantinas. Considere por exemplo…


A Taco Bell está em outros países?

Prepare seu passaporte. Curiosidade: há cerca de 300 Taco Bells fora dos EUA, isso significa que seus crocantes tacos favoritos podem ser encontrados em 26 países ao redor do mundo. Mas abrindo um taco Bell em um país onde a maioria das pessoas nunca experimentou ou ouviu falar de comida mexicana não é fácil.

Posteriormente, a questão é: eles têm taco bell na Europa? Rede Tex-Mex taco Bell acaba de inaugurar sua primeira loja em Londres. Existem atualmente mais de 440 taco Bell restaurantes em 27 mercados fora dos Estados Unidos, 92 dos quais em sete europeu países (Reino Unido, Finlândia, Islândia, Chipre, Espanha, Holanda e Romênia).

Portanto, a Taco Bell é mundialmente ampla?

taco Bell, rede de restaurantes fast-food com sede em Irvine, Califórnia, EUA, que oferece comida de inspiração mexicana. Fundado em 1962 pelo empresário americano Glen Sino, a rede tem mais de 7.000 locais e mais de 350 franqueados no mundo todo.

A Alemanha tem Taco Bell?

taco Bell no Alemanha é um tanto evasivo. São apenas cinco e todos estão localizados em bases militares.


De que é feita a carne de taco Taco Bell & # x27s?

"No início deste ano, a Taco Bell enfrentou uma ação coletiva que alegava que eles não colocavam carne de verdade suficiente em seus tacos para chamar com precisão a carne de recheio.

Dois meses depois que o processo se tornou público, o escritório de advocacia que o moveu desistiu e disse que a Taco Bell fez "mudanças no marketing e na divulgação de produtos".

Caso encerrado - reputação de Taco Bell salva.

Até que eu li que os seguintes itens do menu Taco Bell & hellip

  • Tempero de Carne Temperado
  • Southwest Chicken
  • Empanada de maçã caramelada
  • Tortilla de milho
  • Arroz Enchilada
  • Nacho Chips
  • Tiras Vermelhas
  • Cobertura de morango
  • Molho picante

Você pode encontrá-lo na lista de ingredientes com os seguintes nomes - goma de celulose, celulose em pó, celulose microcristalina, etc.

E não é apenas o Taco Bell.

Muitos fabricantes de alimentos processados ​​utilizam "a celulose nos alimentos como extensor, proporcionando estrutura e reduzindo a quebra".


Acreditamos que todos merecem o direito de Live Más - e somos constantemente inspirados pela criatividade necessária para chegar lá.

Na Taco Bell, temos inovações em mente desde que Glen Bell começou a servir tacos no primeiro local em 1962 em Downey, Califórnia. Desde então, crescemos e nos tornamos uma marca de estilo de vida centrada na cultura que oferece comida inspirada no México, acessível e desejável, com sabores ousados. Além de oferecer valor inovador, oferecemos ingredientes de qualidade e somos o primeiro restaurante QSR a oferecer itens de menu certificados pela American Vegetarian Association (AVA).

A Taco Bell e nossas mais de 350 organizações de franquia operam mais de 7.000 restaurantes que atendem a mais de 40 milhões de clientes a cada semana nos EUA. Internacionalmente, a marca está crescendo com quase 500 restaurantes em quase 30 países em todo o mundo.

Oferecemos oportunidades educacionais e servimos a comunidade por meio de nossa organização sem fins lucrativos, a Taco Bell Foundation, e apoiamos fãs e membros da equipe em suas paixões por meio de programas como a Bolsa Live Más. Fornecemos acesso a esportes, jogos e novas músicas por meio de nosso programa Feed The Beat.


Contagem de restaurante Taco Bell 2010-2020

A rede de serviço rápido de inspiração mexicana Taco Bell operou um total de 7.427 restaurantes em 31 países diferentes em todo o mundo em 2020. Esse número aumentou de 7.363 no ano anterior. O número de restaurantes Taco Bell aumentou consistentemente em cada ano desde 2010.

YUM! Subsidiárias de marcas

A rede de restaurantes é propriedade da YUM! Brands, empresa controladora da Kentucky Fried Chicken (KFC) e da Pizza Hut. Com 25 mil unidades em todo o mundo, a KFC tem o maior número de estabelecimentos da YUM! Subsidiárias de marcas. Embora haja uma grande diferença no número de unidades, a Taco Bell é apenas um pouco menos bem-sucedida do que sua empresa irmã em termos de receita - gerando uma receita de pouco mais de dois bilhões de dólares em 2020. Comparativamente, a receita da KFC foi de cerca de 2,27 bilhões de dólares americanos naquele ano.

Satisfação do cliente

Apesar do número crescente de lojas em todo o mundo e do aumento da receita, a Taco Bell ficou abaixo da pontuação média do American Customer Satisfaction Index (ACSI) do restaurante de serviço limitado média de 74 em 2020. A empresa também está abaixo de ambas as empresas afiliadas, KFC e Pizza Hut, que receberam notas de 79 e 77, respectivamente.


O Taco Bell's rouba uma base, rouba um taco está de volta para a World Series

Mesmo que você não seja um fã de beisebol, poderá roubar um taco com o retorno da promoção Taco Bell & rsquos & ldquoSteal a Base, Steal a Taco & rdquo. Mesmo se você não for um grande fã de beisebol, estará torcendo por uma base roubada.

Para a World Series 2018 apresentada pelo YouTube TV, a promoção de comida Taco Bell afirma que & ldquoO primeiro jogador a roubar uma base durante o Clássico de outono dá a todos na América um Doritos & reg Locos Taco grátis. & Rdquo Para ser claro, esta promoção diz & ldquowhen. & Rdquo Este cenário significa que alguém estará roubando uma base e você receberá um taco de graça.

É bom ver a Taco Bell transformando a promoção deste ano em um cenário de vitórias para todos. Concedido, é uma grande despesa para as franquias. Os tacos Doritos Loco gratuitos serão servidos na quinta-feira, 1º de novembro, a partir das 14h. até as 18h nos locais participantes. Claro, esta promoção está disponível enquanto durar o estoque.

Taco Bell anuncia sua sétima promoção # 147Steal a Base, Steal a Taco & # 148 para a World Series 2018. O primeiro jogador a roubar com sucesso uma base marca para todos na América um Doritos & reg Locos Taco grátis. foto fornecida por Taco Bell

Mais de FoodSided

Enquanto as pessoas ficam entusiasmadas com a promoção de comida gratuita, a Taco Bell está expandindo esta promoção para além da comida gratuita. Este ano, a Taco Bell estará oferecendo bonés de beisebol promocionais. Esses bonés de beisebol estarão disponíveis na Taco Bell e # 8217s Taco Shop. Esses bonés estarão disponíveis a partir de 23 de outubro.

Além disso, a Taco Bell fez parceria com a Topps para cartões especiais de beisebol. Estes cartões de beisebol comemorar & ldquothis ano e anos anteriores & # 8217 Taco Heroes, todos os quais roubaram a base que & # 8217s ganharam um Doritos gratuito América & reg Locos Taco. & Rdquo Os cartões de beisebol estarão disponíveis a partir de 23 de outubro.

Embora essas promoções de restaurantes sejam empolgantes, elas têm um duplo propósito. Em primeiro lugar, cria entusiasmo para o evento esportivo. Tanto fãs de beisebol quanto fãs de Taco Bell vão falar sobre esta promoção. Todos estarão esperando para ver qual jogador será o primeiro a roubar uma base.

Em segundo lugar, esta promoção pode trazer mais convidados para o Taco Bell. As pessoas podem resistir à comida de graça. Mesmo que o convidado raramente vá ao Taco Bell, esta promoção poderia trazê-lo apenas para a comida de graça. Se o restaurante conseguir converter até mesmo uma parte dos clientes em fãs, será uma grande vitória para a marca.

Você vai roubar um taco em 1º de novembro? Esteja preparado para filas mais longas em seu Taco Bell local, porque esta promoção é definitivamente uma pechincha.


Marketing e publicidade

Restaurante venezuelano oferece sabores da América do Sul

21 de junho de 2016
Por Glenn Griffith

Um casal profissional com raízes na Venezuela abriu um restaurante em Halfmoon trazendo um gostinho da América do Sul para o paladar em expansão da comunidade.

Oh milho! arepas and More, um restaurante em 1505 Route 9, abriu suas portas silenciosamente no final de abril para testar o mercado culinário. Com o corte da fita oficial do presidente da Câmara, Pete Bardunias, em 1º de junho, o restaurante se declarou pronto para satisfazer qualquer pessoa com desejo por arepas, cachapas, yuca frita, maduros, crepe nutella, pudim e muito mais.

Arepas é um hambúrguer sem fermento redondo e achatado de fubá que pode ser grelhado, assado, frito, fervido ou cozido no vapor. Possui posição de destaque na gastronomia da Venezuela e Colômbia e no restaurante.

E na Oh Corn! tudo é sem glúten.

“Por que não?”, Disse o morador e diretor administrativo de Clifton Park, José Theoktisto, quando questionado sobre o motivo de ele não consumir glúten. “É melhor para você e todos podem desfrutar do que servimos.”

Theoktisto e sua esposa Belkis Castro abriram o restaurante porque adoram sair para comer e não encontraram nada disponível localmente em seu país natal.

Apesar de seu nome soar grego e uma linhagem que remonta ao lar da democracia, Theoktisto é natural da Venezuela. Ele cresceu com a comida servida em seu restaurante e mal pode esperar para trazê-la aos residentes do sul do condado de Saratoga.

“É comida que se come todos os dias na Venezuela”, disse ele. “Todo mundo come arepas.”

Theoktisto é engenheiro da GE. Castro era advogado na Venezuela antes de o casal se mudar para os Estados Unidos. Além de dirigir as operações diárias do restaurante, ela também é corretora imobiliária e professora de espanhol. Os filhos jovens adultos do casal também ajudam atrás do balcão de vez em quando.

“Garantimos que todos os ingredientes chegassem até nós sem glúten, até mesmo os condimentos”, disse Theoktisto. “Sabemos que não há uma grande comunidade hispânica aqui, mas queríamos fazer uma boa comida de nossa terra natal e compartilhá-la com todos. Tudo aqui é fresco. ”

O restaurante fica em um pequeno shopping center no lado leste da Rota 9 em Halfmoon. O espaço é luminoso, aquecido pelo esquema de cores amarelo e pelos sorrisos dos funcionários. Existem algumas mesas na frente perto das janelas e um balcão nas traseiras onde toda a comida é pedida.

As arepas são cozidas, fatiadas e recheadas com diversos itens solicitados no cardápio. Tem carne mechada, carne magra temperada, carne desfiada, pernil, perna de porco fresca assada em suco de laranja e vinho tinto, reina pepiada, peito de frango com abacate, maionese e coentro, ou dominó, um ladrilho de mussarela pintado com feijão preto e mais. Também existem recheios veganos e vegetarianos disponíveis, como abacate, feijão preto, banana ou grão de bico.

Cachapas é uma panqueca de milho amarela doce e esponjosa dobrada e recheada com um recheio à sua escolha. Os recheios podem ser simples, duplos ou triplos. As coberturas incluídas em cada cachapas incluem tomate, espinafre, pepino, alfafa, couve, cebola e pimentão. Se alguém quiser cachapas simples, também tem.

As opções de sobremesa variam de pudim, tiramisu e três leches, crepe nutella e crepe doce de leite. Também há petiscos como mandioca frita, palitos de mandioca fritos combinados com o molho de coentro da casa, maduros, bananas maduras fritas ou tostones, fatias fritas de banana verde fresca combinadas com molho rosa.

“Minha esposa ama as pessoas”, disse Theoktisto, “e, embora este seja um restaurante e a comida seja o centro de tudo, é realmente sobre as pessoas. Queremos que as pessoas experimentem coisas que talvez nunca tenham experimentado antes. É comida que é comida todos os dias no meu país ”.

Para a comunidade hispânica de Miami, tornar-se vegano nunca foi tão bom

3 de fevereiro de 2016
Por Ellen Kanner

“Eu não tinha intenção de me tornar vegano”, disse a blogueira do ricanvegan.com Desiree Rodriguez. Nem a chef vegana do LovinGreens, Carolina Quijada, nem a Jeanette Ruiz do Planted in Miami.

Mas essas Miami Latinas milenares ex-carnívoros também não gostavam de ficar doentes, e estavam. Exausto e hipoglicêmico, Quijada, nascido em Caracas, tornou-se “uma pessoa diferente” após duas semanas com uma dieta baseada em vegetais. Como Rodriguez e Ruiz, a mãe de gêmeos agora irradia saúde e é uma verdadeira crente vegana.

A vibrante comunidade hispânica de Miami está entre os pontos fortes da cidade - a menos que você seja um vegano. E se você é hispânico e vegano? Caramba.

“Minha família ainda está se acostumando com a ideia”, reconheceu Ruiz, que com o marido Alex Ruiz promove a comunidade vegana do sul da Flórida com Planted in Miami, sua série de podcasts destacando “prosperar em dietas baseadas em vegetais e viver uma vida normal e feliz”.

É melhor do que ter câncer ou doenças cardíacas. Os latinos estatisticamente têm as taxas mais altas para ambos. O problema está no prato.

“Carne - o tempo todo, café da manhã, almoço e jantar. É o grampo. Você coloca carne em tudo que você faz ”, disse Rodriguez, que também trabalha na Baptist Health. “Eu gostaria que houvesse mais consciência para os latinos. Muitos têm as mesmas doenças que minha família tem. É tão comum - eu os ouço comparando medicamentos. Eu sinto que tornar-se vegano é uma solução simples - está bem ali. ”

Digite LovinGreens. Quijada treinada pelo Cordon Bleu ensina como fazer versões veganas mais saudáveis ​​dos adorados pratos latinos sin carne, sin queso. “É tudo sobre os temperos.”

Agora, se ao menos os restaurantes latinos de Miami entrassem com o programa. “Oh, uau, eles não têm nada”, disse Rodriguez. “Eles dizem:‘ O quê? Você não quer frango? ’”

Alex Ruiz acrescentou: “Muitas pessoas acham que um prato cheio de vegetais não tem um gosto bom.” Vegan, mas latino machista, Ruiz lidera o capítulo de Miami do No Meat Athlete. “Mudar para este estilo de vida só ajudou a melhorar meu condicionamento físico.”

Vetando vacas fritas, os Ruizes preferem restaurantes veganos como Jugofresh e Choices and Plantation’s Parlour Vegan Bakery, onde os tamales veganos lembram Jeanette dos pastéis recheados de carne que ela adorava. Mas ela não sente falta de carne mais do que sente falta de problemas digestivos.

“É uma loucura, mas meu alimento da alma agora é meu smoothie verde todas as manhãs. Quanto mais você consegue as coisas boas em seu corpo, mais você vai querer comer. ”

The Latino Market today & # 8230 & # 8230 tamales caseiros amanhã

Vou guiá-lo por um processo totalmente agradável, embora um tanto demorado.

Primeiro, faremos uma viagem única para comprar os ingredientes e talvez almoçar enquanto estamos nisso.

O que é um tamale, você pergunta?

Este alimento básico da culinária mexicana está entre os alimentos mais versáteis que você pode preparar. Uma massa de fubá com tratamento especial é recheada com uma de uma ampla variedade de recheios e, em seguida, o pamonha é embrulhado em uma casca de milho e cozido no vapor.

Em seguida, você retira o pamonha da casca de milho e enfeita com o molho que quiser.

Os recheios habituais são carnes moídas, feijão, pimenta, queijo, vegetais ou fruta. Como o processo inclui fazer a massa e também ensopar as cascas, muitos cozinheiros preparam dezenas de uma vez. Acredite em mim, esse é o caminho a percorrer. Os tamales tendem a ser inalados como batatas fritas.

Ok, agora vamos comprar comida & # 8230 e almoçar.

Para mim, isso significa ir a Hadley para visitar o Mercado Latino da Loja Equador Andino. Ele está localizado no complexo Village Shops, logo acima da Ponte Coolidge de Northampton. Assim que você entrar no estacionamento, verá a loja à sua esquerda.

A beleza deste mercado vibrante e agitado da América do Sul e Central é que ele funciona também como um pequeno restaurante. Ele pertence e é administrado por Tony Garay, de ascendência equatoriana, que mora em Hadley. Ele abriu o negócio há seis anos.

Tony (demorou cerca de três minutos após as apresentações para falarmos pelo primeiro nome) está lá todos os dias da semana, das 10h às 19h, exceto aos domingos, quando ele fecha às 18h, “porque eu tenho que tenho algum tempo para lavar minha roupa. ”

Isso mesmo, ele está trabalhando todos os dias, exceto no dia de ano novo, no quarto de julho e no dia de ação de graças. Naqueles dias, ele fechava.

Aula de geografia: o andino do nome do mercado se refere aos Andes, a cordilheira sul-americana na qual o Equador está situado, ao sul da Colômbia, na costa do Oceano Pacífico.

Antes de escolhermos nossos ingredientes de pamonha, vamos pedir a Tony que prepare um pequeno almoço.

Há uma pequena cozinha atrás da área da caixa registradora. À esquerda do registro há dois balcões menores onde cerca de quatro pessoas podem sentar e comer dentro. Do lado de fora, há três mesas de piquenique à sombra de guarda-sóis no gramado.

Perto da caixa registradora, há uma foto das 20 refeições mexicanas que Tony faz sob encomenda. Em visitas anteriores, tive o prazer de vê-lo fazer um sanduíche Cubano (US $ 8,99), feijão e arroz (US $ 7,99), um burrito de porco (US $ 8,49) e Bistec (US $ 10,99), que é um guisado de carne com arroz amarelo.

Tony se orgulha de suas criações: “Quero que tudo que eu cozinho seja lindo”, ele me disse. “É importante para mim.”

Sua estação de preparação tem pelo menos duas dúzias de ingredientes prontos para serem adicionados às panelas quentes em seu fogão. Enquanto estava fritando um lote de feijão e vegetais, ele pegou uma garrafa de molho. “Quero ter certeza de que toda a comida ficará boa, macia e temperada, e é por isso que estou esguichando meu‘ molho secreto ’nesses grãos agora”, disse ele.

Ele não disse o que havia naquele molho, mas o feijão e o arroz - em uma porção bem farta - estavam muito bons.

Todos os dias ele faz pelo menos uma grande panela elétrica de arroz com arroz amarelo. Alguns dias ele passará por quatro deles.

Por ser uma operação de um homem só, ele teve que aperfeiçoar a arte da multitarefa. Enquanto cozinha, ele observa um monitor na parede ao lado de seu fogão para que possa ver quando os clientes entram na loja e equilibra a espera por eles com a preparação dos pedidos de comida em tempo hábil. Ele lida com isso com desenvoltura, o que é crítico durante sua hora de almoço, quando as coisas podem ficar, em suas palavras, “muito ocupadas”.

OK, o almoço acabou. Vamos comprar.

O mercado tem três longos corredores cheios de mantimentos. Ao longo de uma parede está um refrigerador do chão ao teto cheio com cerca de uma dúzia de tipos de queijos mexicanos, quatro ou cinco marcas de tortilhas, carnes cozidas embaladas a vácuo, itens diversos e bebidas frias.

São essas bebidas geladas que estão entre as mais vendidas no mercado: suco de tamarindo, refrescas, suco de coco com polpa e dezenas de outras bebidas importadas.

Mas hoje estamos no refrigerador procurando o recipiente de plástico de 1,65 libra de gordura de porco transformada Manteca (US $ 6,99). Isso mesmo, gordura de porco pura e não adulterada. Parte disso será usado para a massa.

Em seguida, daremos meia-volta e caminharemos pelo corredor do meio - passando pela ampla seleção de feijões secos - para encontrar a Maseca Tamal (US $ 3,99). Este é um pacote de 4,4 libras de masa harina, que é usado para fazer massa de tamale, bem como todas as suas massas básicas da América Latina: tortillas, pupusa, empanadas, gorditas, sopes.

Masa harina é a forma seca e em pó de masa (que significa massa em espanhol). É reconstituído com água antes de usar. (Não pense que você pode simplesmente usar aquele cilindro de fubá de 3 anos que você tem em seu armário. Você não pode adicionar água à fubá e criar uma massa. Para isso, ela precisa passar por um processo químico chamado nixtamalização, como masa harina).

Agora vamos continuar passando por todos os acessórios de celular pendurados onde quer que haja espaço para o outro lado do mercado. Ao longo da parede direita é onde encontraremos pelo menos 14 (na última contagem) tipos de pimentas secas e todos os temperos que você precisa para cozinhar latim.

Mas hoje estamos procurando um pacote de cascas de milho secas Hoja de Tamal (US $ 3,99). Este pacote de 180 gramas contém dezenas de cascas e deve ser o suficiente se esta é sua primeira vez fazendo tamales. Mas também há pacotes maiores lá, se você quiser.

Se você quiser um ou dois molhos para seus tamales, vá até o fundo da loja e você ficará surpreso. E não apenas pela grande seleção de molhos. Lá há enlatados de todos os tipos, como o menudo (guisado de tripas). E latas de seis libras de tomatillos verdes, bem como pickles verdes e jalapenos em conserva, etc., etc., etc.

O molho favorito de Tony para regar no prato é El Yucateco Salsa Picante de Chile Habanero (US $ 3,99). Ele vem em verde, seu favorito, e vermelho. Ambos são quentes, mas cada um tem um sabor diferente. Eles vêm em garrafas de 240 ml.

É hora de ir para casa e fazer tamales.

O preparo do tamale pode ser dividido em cinco etapas: fazer a massa, molhar as cascas de milho, fazer o recheio, construir os tamales e cozinhá-los no vapor.

A confecção da massa e do recheio pode ser feita com um ou dois dias de antecedência. Assim, no dia em que tudo o que você tem a fazer é molhar as cascas, fazer os tamales e cozinhá-los no vapor. É assim que eu faço.

¾ xícara Manteca de gordura de porco fundida

Em uma tigela grande, misture bem a Maseca Tamal, o fermento e o sal kosher. Adicione o caldo ou água e misture bem novamente. Usar as mãos funciona bem.

Na batedeira, bata até ficar claro e fofo o Manteca transformado em gordura de porco e uma pitada de sal.

Adicione a mistura de massa em quatro etapas na gordura de porco fofa e bata até que a massa fique lisa e ligeiramente pegajosa. Coloque uma pequena bola de massa em um copo d'água. Se afundar, você precisa adicionar mais líquido. Se flutuar, está bom para ir.

Leve à geladeira por pelo menos uma hora ou durante a noite. Use uma batedeira para bater a massa por apenas um minuto ou mais antes de fazer tamales. Deve ser como uma massa de biscoito macia.

Use sua imaginação. Estou picando frango assado com cebola cozida e um pouco de molho de enchilada quente que tinha à mão. Você vai precisar de cerca de 2 xícaras no valor de cerca de 18 tamales.

Pegue cerca de 25 cascas de milho maiores utilizáveis ​​e mergulhe-as em água quente (não fervente). Colocar uma tampa pesada na panela ajuda a mantê-los submersos. Após cerca de 30 minutos, escorra e seque-os. Mantenha-os em um saco plástico ou prato coberto para que não sequem muito antes de usá-los.

Com uma grande casca de milho em uma superfície plana, coloque cerca de 2 colheres de sopa de sua massa sobre a casca, espalhando-a no meio. Deixe cerca de 10 cm da extremidade estreita da casca e 5 cm da outra extremidade. Espalhe a massa até a borda de um dos lados longos e 5 cm de distância do outro lado. A massa deve ter cerca de ¼ de polegada de espessura.

Agora espalhe algumas colheradas do recheio no centro da massa, deixando pelo menos 2,5 cm de massa nas laterais.

Se suas cascas de milho forem pequenas, simplesmente coloque duas cascas sobrepostas com uma de cabeça para baixo e proceda como se fosse uma grande.

Role o pamonha com cuidado, começando pelo lado coberto com a massa. Vire para o centro do recheio. Dobre o outro lado sobre o recheio, permitindo que a parte lisa da casca envolva o recheio. Dobre as pontas e amarre com tiras de cascas encharcadas.

Em um vaporizador grande, coloque uma casca de milho encharcada para cobrir o fundo da cesta, deixando pequenos espaços para o vapor escapar. Encha a cesta com tamales, com as pontas abertas para cima. Cubra frouxamente com algumas cascas. Cozinhe por 90 minutos a duas horas. Pegue um para testar o cozimento. A massa deve ser lisa e separar-se facilmente da casca.

Retire das cascas e sirva com o molho de sua preferência - talvez um pouco de crema (creme azedo mexicano). Talvez um pouco de arroz amarelo.

A propósito, os tamales cozidos no vapor podem ser guardados na geladeira por uma semana ou congelados. Simplesmente reaproveite quando estiver pronto para comê-los.

Gelatina brota em uma sorveteria Shawnee

3 de setembro de 2014
Por Jen Chen

No Aunt Jean's, um sorvete e cafeteria no centro de Shawnee, uma nova sobremesa causou mais do que algumas surpresas. A loja começou a vender “gelatina artística”, que parece um peso de papel floral do tamanho da palma da mão: uma flor natural envolta em uma cúpula de gelatina transparente.

“As pessoas perguntam: 'Isso é uma flor de verdade ou é de plástico?'”, Diz Mayte Sandoval, proprietária da Tia Jean's. “Dizemos a eles que é tudo comestível.”

Sandoval e a mãe dela, Rocio, fazem as gelatinas. Na primavera passada, Rocio teve uma aula com um instrutor que viajou de Chicago para ensinar a técnica a membros da comunidade hispânica. Segundo Mayte, a gelatina é uma sobremesa tradicional mexicana - gelatina - principalmente em festas, onde servir bolo e gelatina (como quadrados de gelatina coloridos suspensos, em forma de mosaico, em base de gelatina de leite branco) é como a tradição americana de servir bolo e sorvete. A parte artística é algo novo, embora tenha começado no México antes de se espalhar para a Califórnia e depois para cidades americanas com comunidades hispânicas de bom tamanho.

As gelatinas foram adicionadas em junho ao cardápio da Tia Jean (que, segundo Mayte, também é o único lugar na área de KC a vender refrigerante Peach Nehi).

“Nos negócios hispânicos, isso já existia”, diz Mayte. “Então dissemos:‘ Vamos tentar ’. É algo novo e artístico, que é sempre bom trazer para chamar a atenção da comunidade.” Suas gelatinas de flores também estão no cardápio do Fogones Mexican Delights, algumas portas abaixo da casa de Tia Jean. (Esse restaurante é propriedade do pai de Mayte.)

No dia mais quente do verão até agora, Rocio me mostra como coloca a flor dentro da cúpula. Ela havia feito a base - o invólucro transparente - na noite anterior, usando gelatina sem sabor, água e açúcar, em seguida, adicionando um sabor (morango, abacaxi, manga, baunilha ou coco) antes de despejar a mistura em uma tampa de copo de plástico em forma de cúpula para definir durante a noite.

Para a flor, ela mistura leite, leite condensado, gelatina insípida, baunilha e um estabilizador derrama um pouco da mistura em três recipientes separados e adiciona corante alimentar em pó amarelo, rosa e verde a cada um. Trabalhando na flor de cabeça para baixo, ela puxa o líquido amarelo leitoso para uma seringa com uma agulha angular, que ela enfia levemente no meio da gelatina transparente, girando o copo levemente e pressionando o êmbolo da seringa para liberar o líquido. Este é o estame da flor.

Next, she forms the petals, using a paring knife to make U-shaped cuts, then an eyedropper to fill the cuts with the bright-pink milk mixture. As she works from the center of the flower outward, the U-shaped cuts get bigger. Then she makes small green leaves with the paring knife and the eyedropper.

After the gelatin thickens in the refrigerator for a couple of minutes, she pours a thin layer of the remaining milk mixture on top. The completed dome is refrigerated again, waiting to be unmolded with the flower right-side up. The result is firm, almost hard it is not Jell-O. It tastes mainly of the flavoring added to the clear gelatin. The flower gelatinas cost $3 for a small or $5 for a large. In addition to the floral domes, the Sandovals offer a range of designs, such as a flower in clear gelatin in a plastic champagne flute ($4) or a naked baby (made from a mold) curled facedown on a flower in a clear dome. (You can ask to add clothes or a hair color to the baby.) Almost any kind of flower can be had — sunflowers, roses, poinsettias — and images or logos can be printed on edible paper to place under the clear gelatin.

A cake topped with a giant flower goes for $17 and serves about 10 people (with bigger cakes ranging from $35 to $120). There’s also a “cake” that’s solely gelatin one version is a woman’s pregnant torso, the pink-and-white bustier parted to reveal a little baby curled facedown in the clear gelatin stomach.

The babies, you see, are on Rocio’s mind. They’re her favorites to make because she finds the results cute, but there’s another reason: Her other daughter is pregnant with Rocio’s first granddaughter.

Mayte isn’t as into it. “The baby has to be for showers,” she says. “Otherwise, I’ll stare at it and don’t know where to start. People come in and stare at it and ask what it is.”

I ask if learning the art was hard. Rocio says she got the hang of it after practicing four or five times on different gelatins.

“It’s more having confidence in what you’re doing,” Mayte tells me, translating for Rocio. “That’s mainly it.”

Fast Food Ads Target Black and Latino Youth

4 de junho de 2014
by Rick Paulas

In 1996, I desperately wanted to eat an Arch Deluxe.

For those of you who don't remember the few months it was available before becoming the biggest fast food flop of all time, the Arch Deluxe was McDonald's attempt to be taken seriously. This was a sandwich for adults, complete with a potato bun and new secret sauce. According to its ads, it was "the burger with the grown-up taste."

But I didn't want to get one to make me more mature. I wanted to get one because Michael Jordan told me to.

If you don't remember the sandwich, at the very least you should remember the basketball superstar's face next to nearly everything McDonald's released during that period of time. It was the perfect corporate relationship: the world's biggest sports star and the world's biggest fast food franchise. And if you watch TV today, you'll notice that the amount of celebrities shilling for fast food has only grown.

Whether it's the Super Bowl, the NBA playoffs, or Sunday night's Game 7 overtime win for the L.A. Kings, viewers tuning in get a generous helping of sports players offering dining recommendations. Sometimes it's LeBron James and Dwight Howard telling people to eat at McDonald's, other times it's Peyton Manning delivering pizzas for Papa John's. But the difference between today and back when Michael Jordan played H-O-R-S-E with Larry Bird is our understanding of how food ads work.

We've already learned that Big Food specifically targets children, but now we also know they're responsible for rising obesity rates in black and Latino youth.

A recent piece in Al Jazeera points out how fast/junk food corporations have been targeting youth culture in poorer areas, and celebrity sponsorship is just one small area of their attack. They also rely on more subtle methods like focused social media branding and sponsoring gospel music performances — McDonald's has an entire series of promotions geared towards the black community called 365Black — to get their message out to black and Latino youth.

To answer the question of whether or not this targeting is working, you need only look at the health stats:

While obesity among all young people has more than quadrupled over the past four decades — from just 5 percent among 6-to-19-year-olds in the 1960s to 19.6 percent in 2008 — rates among African-American and Latino youth have outpaced those of white youth. The statistics are most alarming for African-American teenage girls: Among those ages 12 to 19, nearly 1 in 3 were obese in 2008, the highest prevalence by age, gender, race or ethnicity.
The Al Jazeera piece also quotes a 2011 study that found African-American youths see 80 to 90 percent more ads for sugary drinks than white children do. One reason that's the case is because of the insidious "pouring rights" contract that schools sign with sponsors.

"Pouring rights" work like so: A school signs a contract with a beverage corporation (Coke or Pepsi, generally) which gives them some extra spending money, as long as the school only serves their product. Sports arenas and theme parks generally work the same way it's why it's tough to find both a Coke and Pepsi at a sporting event. The thing is, the schools that sign the contract are the ones who need the money the most. And those schools generally don't have yearbooks full of white faces. It's a deal with the devil that schools in lower-income districts — which, in America, means black or Latino neighborhoods — must sign.

While something like "pouring rights" is different from a sports star getting paid a bunch of money to stand next to a burger, it's in the same family. Both devices are used to get people to buy the product, and in most cases their targets are black and Latino youth. Which is why it's time for celebrities to end their relationship with fast/junk food corporations.

The decision that sports figures and celebrities make when signing on the dotted line to be part of a huge ad campaign is easy to understand. People are giving them tons of money for a few hours of work. And if they don't sign, well, the corporation just moves onto the next biggest celebrity. But for too long have celebrities gotten away with simply cashing checks with no penalties. The effect that fast/junk food has the general public, especially children, is known. They need to be held accountable for their decisions.

If a person signs a contract with a fast food corporation, they are aligning themselves with a shameful industry. They're not only selling their likeness, they're also selling out the future health of black and Latino children.


States With the Most Taco Bells and What It Means - Recipes

This is a consistently good and busy Taco Bell. My food today was exactly what I ordered and a decent price. I wish they'd bring back the $5 craving box, though.

1 - 5 do 10 avaliações

Stopped in for an early dinner before going to the movie.

Here it is still winter, temp outside was probably in the upper 40’s to low 50’s, we walk in to order and it’s freezing. I asked if they had the AC on, no reply, I asked a second time and the gal finally said yes, I asked for what, she just looked at me.

Anyway we ordered the #2 on the menu, soft shell Taco’s. We received our order pretty quickly and we went out to the car and ate, just for the heat. Food was good.

We stopped here back in July with the grandkids for a lunch break. This place was fairly new from where they moved from back off 400 and 53. We ordered lunch for the four of us and it was fixed, delivered and consumed in a decent amount of time. Staff was nice and the place was clean. would come again. Got to have some BELL

I use the drive through regularly and order different things. Regardless of what I order, they are fast and the food is always as good as I expect.

It has been a long time since I last ate at any Taco
Bell location and stopped in here one afternoon with a craving for the Cheesy Gordita Crunch Wrap with Fire hot sauce. I cannot say I was disappointed, the food was exactly as I remember from my last visit of well over a year ago. It satisfied my craving!

Service, the young lady who took my order was pleasant but did not appear to be friendly or really wanting to be there during my visit. She was working the register and also out cleaning the dining room which was empty but had obviously been used and in need of cleaning. My table was clean but many around me needed cleaning and the floors were dirty but she was working on them and making progress so they may have had a large crowd before my arrival. This may also have led to her demeanor at the register.

My food order was prepared quickly and was correct. My name was called shortly after I ordered and a young man handed me my tray greeting me by name and asking if there was anything he could do for me. His attitude was great and he made me feel welcomed. I have to say that it was his greeting and attitude that prompted me to give them four stars versus two. My experience in ordering left me ready to leave but he saved the experience.

I hate going into a food place and feeling like I am really burdening the person taking my order and they really wish I had not bothered them. Unfortunately, this was my feeling when I placed my order but it was nice to know my food preparation was by somebody who enjoyed their job.

Bottom line, I would return here again next time I have a craving for Taco Bell.


Here's where you can get the best Mexican food in the country — Taco Bell

Taco Bell was recently named the best Mexican restaurant in the country by Harris Poll. Here's a look at where you can nosh down on a Cheesy Gordita Crunch or Nacho Fries.

Americans are thinking outside the bun when it comes to their favorite Mexican restaurant.

The Harris Poll, one of the longest running surveys in the United States, named Taco Bell, a subsidiary of Yum! Brands ($YUM), the best Mexican restaurant in the United States for 2018. Specifically, it earned "Brand of the Year" honors, which is based on a poll of more than 77,000 American consumers assessing more than 3,000 brands for "Familiarity, Quality and Purchase Consideration."

In celebration of this win for the mecca of Cheesy Gordita Crunches and Nacho Fries, we mapped out all 6,923 Taco Bell locations in the U.S. to see which state and city is most blessed with America's number one Mexican eatery.

As expected, there is a large concentration of Taco Bells in the largest metropolitan areas in the country. Breaking the data down by state shows that California and Texas, two locales known for producing some of America's best Mexican cuisine, also claim the first most and second most T-Bells out of all 50 states.

Of course, our map only showed the contiguous United States as seen here, there are another 32 Taco Bells in Hawaii, and another 19 in Alaska. Neither of those two states had the least amount of Taco Bells, as that honor fell to Vermont, which only has five listed stores.

In terms of which cities have the most Taco Bells, that honor goes once again to the Lone Star State, which has the #1 (Houston), #2 (San Antonio), AND #6 (Dallas) spots in the top-ten list.

Cidade Entity Name (Count)
Houston 61
Santo António 40
Las vegas 39
Columbus 38
Fénix 35
Dallas 34
Miami 33
Indianapolis 33
Los Angeles 28

Las Vegas, Nevada provides a pretty interesting case, being that it is in a state with the 20th least amount of Taco Bells. Its 39 locations — including its epic Cantina location shown below — accounts for 53% of the state's 74 locations.


Assista o vídeo: Webinar: Punching Above Its Weight - How Denmark is Winning Hyperscale Datacenters (Janeiro 2022).