Receitas tradicionais

Brunch no Wallflower da cidade de Nova York: uma refeição especial

Brunch no Wallflower da cidade de Nova York: uma refeição especial

Quando você conhece uma “flor da parede”, todos os tipos de segredos maravilhosos são revelados.

Pelo menos, é assim que o proprietário Jason Soloway vê, e é por isso que ele escolheu o nome para seu pequeno local aninhado em uma rua lateral no West Village.

A decoração é aconchegante, confortável e cheia de sutis elementos florais. O teto, por exemplo, é coberto com azulejos floridos e pintado de ouro por, como Soloway o descreveu, "um cara do Brooklyn que não gostava de usar sapatos, mas sabia lidar com pincel e cobrava muito dinheiro" para refletir calorosamente a luz das velas no restaurante.

Quanto à comida, o novo chef executivo Derrick Paez criou um menu de brunch suntuoso que pode ser facilmente escolhido para uma refeição agradável de duas horas.

Comece com o pain perdu caseiro feito com creme de leite, Nutella e geleia de morango; o prato é decadente, mas não enjoativamente doce. Todo esse açúcar certamente fará você desejar a quesadilla de bacon mais saborosa, que é pura, limpa e saborosa, e não um item típico mexicano para viagem.

Ou você pode optar pela omelete, que é como cortar um saco de dormir fofo feito de ovos que contém uma compota de tomate e azeitonas.

Se você pedir apenas uma coisa, certifique-se de que é a meia lagosta assada com molho Américaine, grãos cremosos e tomate cereja defumado. Embora o tempero seja muito simples, esses ingredientes de alguma forma criam uma calda de chocolate aveludada.

O restaurante está comemorando seu aniversário de dois anos em 22 de outubro, então certifique-se de parar e dizer parabéns - mas, por favor, fique calçado.


MÍDIA MISTA Sem comida, por favor, It & # x27s Foodieville

TENHO que dizer que, se eu fosse o editor da novíssima Foodie Magazine, provavelmente teria colocado Stephen Baldwin na capa da primeira edição.

Afinal, o Sr. Baldwin resume o leitor que esta revista de alimentos deseja alcançar. Ele é um homem, em seus 30 e 27 anos e não cozinha. E em uma curta entrevista de perguntas e respostas que evitou a discussão sobre como a comida realmente era ruim no Alaia, seu breve restaurante em Manhattan, o Sr. Baldwin eloquentemente resumiu o apelo de um restaurante moderno e movimentado: & # x27 & # x27Pode ser muito divertido. & # x27 & # x27

Esse é também o grito de guerra da Foodie Magazine, que chegou nas últimas duas semanas. Cada vez mais revistas de alimentos brilhantes estão sendo amontoadas nas bancas nestes tempos de fluxo nos primeiros três meses deste ano, uma dúzia se juntou aos cerca de 50 títulos de comida convencionais que já disputam a atenção dos obcecados por comer.

Mas Foodie consegue se destacar. Por um lado, não tem receitas: não para Foodie a cobertura prosaica de, digamos, a melhor maneira de inserir frango cru no forno para obter um resultado comestível, o tipo de assunto para o qual revistas como Gourmet e Fine Cooking - e sim, até mesmo o Sr. Food & # x27s Easy Cooking - dedicaram páginas em edições recentes.

Com a maioria das revistas de comida, eu sei onde estou. Quando vejo Gourmet, penso em minha sogra e suas amigas, todas excelentes cozinheiras, que aprenderam nos anos 1960 & # x27 o valor de adicionar vinho tinto ao patê - e que ainda guardam questões atrasadas em suas mesinhas de centro . Bon Appetit me lembra (novamente) que é hora de visitar a Itália, e Saveur me cutuca para adicionar mais manteiga ao molho - ok, creme também - porque devemos ser bons para nós mesmos.

Em vez disso, tudo sobre Foodie é um chamado para unir uma nova geração de groupies (os jovens, os descolados, os carregados de testosterona e dinheiro) que abraçam avidamente a cultura de celebridade que cerca a comida atualmente. Acho que isso pode explicar a grande foto de um chef tatuado que cozinha para estrelas do rock. E uma apresentação de sushi que apresenta mais fotos de facas afiadas e assustadoras do que de comida real. E, espera-se, o item que exalta as virtudes de um site chamado Chowhound.com, que Foodie descreve como um diário de jantar & # x27 & # x27 sem limites e fluxo de consciência & # x27 & # x27 relatando excursões gastronômicas pela área de Nova York .

Liguei para o editor de Foodie & # x27s, Gus Floris, que confirmou a tendência masculina. & # x27 & # x27Mais e mais, os homens estão em comida hoje, & # x27 & # x27 ele disse. & # x27 & # x27Eles gostam porque chefs famosos como Bobby Flay e Emeril estão tornando-o legal. & # x27 & # x27

Cinco pratos à noite durante a semana

Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

    • O genial Kay Chun traz os sabores do churrasco coreano para o formato de hambúrguer nesta receita de cheeseburgers coreanos.
    • Ali Slagle tem um truque para obter um sabor forte neste frango com gengibre e limão: usar maionese na marinada.
    • Yasmin Fahr mistura iogurte espesso, queijo feta e pepino persa para adicionar nesta salada de salmão e cuscuz.
    • Esta pizza de salada com feijão branco e parmesão é uma refeição completa, inspirada na California Pizza Kitchen.
    • O nome yo po mian, um alimento básico da província de Shaanxi na China, significa "macarrão polvilhado com óleo".

    Aparentemente, eles anseiam por detalhes da rotina de café da manhã de Steven Spielberg & # x27s nos Hamptons (ele caminha rapidamente até uma loja gourmet local), ou os hábitos de gorjeta de Frank Sinatra & # x27s (ele & # x27d dá $ 100 para o barman). E não me interpretem mal. Estou tão interessado quanto qualquer outro em saber que um ex-editor de moda da revista Elle é quem deve agradecer pela decoração chique do clube de natação Isla, o restaurante cubano descolado em Greenwich Village. Mas esse tipo de informação - uma mistura curiosa de revista People e Hulk Hogan - é suficiente para sustentar uma audiência de longo prazo?

    Muito possivelmente, disse Samir Husni, professor de jornalismo da Universidade do Mississippi que se especializou na indústria de revistas. & # x27 & # x27Este é um bom momento para revistas & # x27 & # x27, disse ele. & # x27 & # x27A abordagem não profissional pode funcionar para eles, se conseguirem encontrar pessoas suficientes no mundo que pertençam ao clube de swing de pessoas do alimento. & # x27 & # x27

    O presidente do clube, Sr. Floris, é um ex-editor associado da Sportswear International, uma revista do setor, onde trabalhou por 10 anos. Floris, cujo pai era dono de restaurantes gregos em Nova York, disse que ansiava por criar uma revista que combinasse o glamour da indústria da moda com o entusiasmo em torno dos restaurantes mais badalados. Na verdade, ele disse que teve a ideia para o nome da revista & # x27s há quatro anos. Ele lembrou: & # x27 & # x27Eu estava sentado em um bar com um amigo meu que é chef certificado. Ele disse: & # x27Chame de Foodie, porque é isso & # x27 é o que & # x27s está acontecendo agora. & # X27 & # x27 & # x27

    Pode ser um fenômeno cultural, mas Floris se contenta em começar pequeno. Depois de fundar a Morpheus Publishing Inc. e obter financiamento privado, ele contratou uma equipe mínima de cinco pessoas e montou a primeira edição do que planeja trimestralmente. Com uma tiragem de 52.000 exemplares, Floris disse que não esperava vender mais do que 4.000 nas bancas por US $ 3,95 a cópia. Ele enviará mais 25.000 para & # x27 & # x27a lista de nomes que aluguei & # x27 & # x27 e também fechou um acordo com o varejista de alimentos online Fultonstreet .com para distribuir 15.000 aos clientes.

    Com a segunda edição, marcada para 21 de agosto, Floris planeja imprimir 100.000 cópias. A equipe, disse ele, permanecerá enxuta. Sem querer soar exigente, mas ele pode considerar a contratação de um editor de texto adicional: o primeiro problema está repleto de erros ortográficos e factuais, como descrever o cereal Quisp como & # x27 & # x27 há muito tempo. & # X27 & # x27 (Ele vive, Foodie e é um favorito cult entre o seu público-alvo.)

    Mas no final, eu não pude reclamar da decisão do Sr. Floris de colocar a estrela do rock Sarah McLachlan e seu chef louro oxigenado na capa. Ele explicou sua lógica: & # x27 & # x27É um ajuste perfeito - ela é uma celebridade e ela é uma amante de comida. E eles definitivamente atraem o público-alvo. & # X27 & # x27

    Ou dito de outra forma: ela é uma pessoa famosa que come. E ele é uma pessoa tatuada que cozinha. Em uma cultura obcecada por estilo e comida, eles cobrem quase todos os ângulos. Só falta comida.


    MÍDIA MISTA Sem comida, por favor, It & # x27s Foodieville

    TENHO que dizer que, se eu fosse o editor da novíssima Foodie Magazine, provavelmente teria colocado Stephen Baldwin na capa da primeira edição.

    Afinal, o Sr. Baldwin resume o leitor que esta revista de alimentos deseja alcançar. Ele é um homem de 30 e 27 anos e não cozinha. E em uma curta entrevista de perguntas e respostas que evitou a discussão sobre como a comida realmente era ruim no Alaia, seu breve restaurante em Manhattan, o Sr. Baldwin eloquentemente resumiu o apelo de um restaurante moderno e movimentado: & # x27 & # x27Pode ser muito divertido. & # x27 & # x27

    Esse é também o grito de guerra da Foodie Magazine, que chegou nas últimas duas semanas. Cada vez mais revistas de alimentos brilhantes estão sendo amontoadas nas bancas nestes tempos de fluxo nos primeiros três meses deste ano, uma dúzia se juntou aos cerca de 50 títulos de comida convencionais que já disputam a atenção dos obcecados por comer.

    Mas Foodie consegue se destacar. Por um lado, não tem receitas: não para Foodie a cobertura prosaica de, digamos, a melhor maneira de inserir frango cru no forno para obter um resultado comestível, o tipo de assunto para o qual revistas como Gourmet e Fine Cooking - e sim, até mesmo o Sr. Food & # x27s Easy Cooking - dedicaram páginas em edições recentes.

    Com a maioria das revistas de comida, eu sei onde estou. Quando vejo Gourmet, penso em minha sogra e suas amigas, todas excelentes cozinheiras, que aprenderam nos anos 1960 & # x27 o valor de adicionar vinho tinto ao patê - e que ainda guardam questões atrasadas em suas mesinhas de centro . Bon Appetit me lembra (novamente) que é hora de visitar a Itália, e Saveur me cutuca para adicionar mais manteiga ao molho - ok, creme também - porque devemos ser bons para nós mesmos.

    Em vez disso, tudo sobre Foodie é um chamado para unir uma nova geração de groupies (os jovens, os descolados, os carregados de testosterona e dinheiro) que abraçam avidamente a cultura de celebridade que cerca a comida atualmente. Acho que isso pode explicar a grande foto de um chef tatuado que cozinha para estrelas do rock. E uma apresentação de sushi que apresenta mais fotos de facas afiadas e assustadoras do que de comida real. E, espera-se, o item que exalta as virtudes de um site chamado Chowhound.com, que Foodie descreve como um diário de jantar & # x27 & # x27 sem limites e fluxo de consciência & # x27 & # x27 relatando excursões gastronômicas pela área de Nova York .

    Liguei para o editor de Foodie & # x27s, Gus Floris, que confirmou a tendência masculina. & # x27 & # x27Mais e mais, os homens estão em comida hoje, & # x27 & # x27 ele disse. & # x27 & # x27Eles gostam porque chefs famosos como Bobby Flay e Emeril estão tornando-o legal. & # x27 & # x27

    Cinco pratos à noite durante a semana

    Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

      • A genial Kay Chun traz os sabores do churrasco coreano para o formato de hambúrguer nesta receita de cheeseburgers coreanos.
      • Ali Slagle tem um truque para obter um sabor forte neste frango com gengibre e limão: usar maionese na marinada.
      • Yasmin Fahr mistura iogurte espesso, queijo feta e pepino persa para adicionar nesta salada de salmão e cuscuz.
      • Esta pizza de salada com feijão branco e parmesão é uma refeição completa, inspirada na California Pizza Kitchen.
      • O nome yo po mian, um alimento básico da província de Shaanxi na China, significa "macarrão polvilhado com óleo".

      Aparentemente, eles anseiam por detalhes da rotina de café da manhã de Steven Spielberg & # x27s nos Hamptons (ele caminha rapidamente até uma loja gourmet local), ou os hábitos de gorjeta de Frank Sinatra & # x27s (ele & # x27d dá $ 100 para o barman). E não me interpretem mal. Estou tão interessado quanto qualquer outro em saber que um ex-editor de moda da revista Elle é quem deve agradecer pela decoração chique do clube de natação Isla, o restaurante cubano descolado em Greenwich Village. Mas esse tipo de informação - uma mistura curiosa de revista People e Hulk Hogan - é suficiente para sustentar uma audiência de longo prazo?

      Muito possivelmente, disse Samir Husni, professor de jornalismo da Universidade do Mississippi que se especializou na indústria de revistas. & # x27 & # x27Este é um bom momento para revistas & # x27 & # x27, disse ele. & # x27 & # x27A abordagem não profissional pode funcionar para eles, se conseguirem encontrar pessoas suficientes no mundo que pertençam ao clube de swing de pessoas do alimento. & # x27 & # x27

      O presidente do clube, Sr. Floris, é um ex-editor associado da Sportswear International, uma revista da indústria, onde trabalhou por 10 anos. Floris, cujo pai era dono de restaurantes gregos em Nova York, disse que ansiava por criar uma revista que combinasse o glamour da indústria da moda com o entusiasmo em torno dos restaurantes mais badalados. Na verdade, ele disse que teve a ideia para o nome da revista & # x27s há quatro anos. Ele lembrou: & # x27 & # x27Eu estava sentado em um bar com um amigo meu que é chef certificado. Ele disse: & # x27Chame de Foodie, porque é isso & # x27 é o que & # x27s está acontecendo agora. & # X27 & # x27 & # x27

      Pode ser um fenômeno cultural, mas Floris se contenta em começar pequeno. Depois de fundar a Morpheus Publishing Inc. e obter financiamento privado, ele contratou uma equipe mínima de cinco pessoas e montou a primeira edição do que planeja trimestralmente. Com uma tiragem de 52.000 exemplares, Floris disse que não esperava vender mais do que 4.000 nas bancas por US $ 3,95 a cópia. Ele enviará outros 25.000 para & # x27 & # x27a lista de nomes que aluguei & # x27 & # x27 e também fechou um acordo com o varejista de alimentos online Fultonstreet .com para distribuir 15.000 aos clientes.

      Com a segunda edição, marcada para 21 de agosto, Floris planeja imprimir 100.000 cópias. A equipe, disse ele, permanecerá enxuta. Sem querer soar exigente, mas ele pode considerar a contratação de um editor de texto adicional: o primeiro problema está repleto de erros ortográficos e factuais, como descrever o cereal Quisp como & # x27 & # x27long ido. & # X27 & # x27 (Ele vive, Foodie e é um favorito cult entre o seu público-alvo.)

      Mas no final, eu não pude reclamar da decisão do Sr. Floris de colocar a estrela do rock Sarah McLachlan e seu chef louro oxigenado na capa. Ele explicou sua lógica: & # x27 & # x27É um ajuste perfeito - ela é uma celebridade e ela é uma amante de comida. E eles definitivamente atraem o público-alvo. & # X27 & # x27

      Ou dito de outra forma: ela é uma pessoa famosa que come. E ele é uma pessoa tatuada que cozinha. Em uma cultura obcecada por estilo e comida, eles cobrem quase todos os ângulos. Só falta comida.


      MÍDIA MISTA Sem comida, por favor, It & # x27s Foodieville

      TENHO que dizer que, se eu fosse o editor da novíssima Foodie Magazine, provavelmente teria colocado Stephen Baldwin na capa da primeira edição.

      Afinal, o Sr. Baldwin resume o leitor que esta revista de alimentos deseja alcançar. Ele é um homem de 30 e 27 anos e não cozinha. E em uma curta entrevista de perguntas e respostas que evitou a discussão sobre como a comida realmente era ruim no Alaia, seu breve restaurante em Manhattan, o Sr. Baldwin eloquentemente resumiu o apelo de um restaurante moderno e movimentado: & # x27 & # x27Pode ser muito divertido. & # x27 & # x27

      Esse é também o grito de guerra da Foodie Magazine, que chegou nas últimas duas semanas. Mais e mais revistas de alimentos brilhantes estão sendo abarrotadas nas bancas nestes tempos de fluxo nos primeiros três meses deste ano, uma dúzia se juntou aos cerca de 50 títulos de comida convencionais que já disputam a atenção dos obcecados por comer.

      Mas Foodie consegue se destacar. Por um lado, não tem receitas: não para Foodie a cobertura prosaica de, digamos, a melhor maneira de inserir frango cru no forno para obter um resultado comestível, o tipo de assunto para o qual revistas como Gourmet e Fine Cooking - e sim, até mesmo o Sr. Food & # x27s Easy Cooking - dedicaram páginas em edições recentes.

      Com a maioria das revistas de comida, eu sei onde estou. Quando vejo Gourmet, penso em minha sogra e suas amigas, todas excelentes cozinheiras, que aprenderam nos anos 1960 & # x27 o valor de adicionar vinho tinto ao patê - e que ainda guardam questões atrasadas em suas mesinhas de centro . Bon Appetit me lembra (novamente) que é hora de visitar a Itália, e Saveur me cutuca para adicionar mais manteiga ao molho - ok, creme também - porque devemos ser bons para nós mesmos.

      Em vez disso, tudo sobre Foodie é um chamado para unir uma nova geração de groupies (os jovens, os descolados, os carregados de testosterona e dinheiro) que abraçam avidamente a cultura de celebridade que cerca a comida atualmente. Acho que isso pode explicar a grande foto de um chef tatuado que cozinha para estrelas do rock. E uma apresentação de sushi que apresenta mais fotos de facas afiadas e assustadoras do que de comida real. E, espera-se, o item que exalta as virtudes de um site chamado Chowhound.com, que Foodie descreve como um diário de jantar & # x27 & # x27 sem limites e fluxo de consciência & # x27 & # x27 relatando excursões gastronômicas pela área de Nova York .

      Liguei para o editor de Foodie & # x27s, Gus Floris, que confirmou a tendência masculina. & # x27 & # x27Mais e mais, os homens estão em comida hoje, & # x27 & # x27 ele disse. & # x27 & # x27Eles gostam porque chefs famosos como Bobby Flay e Emeril estão tornando-o legal. & # x27 & # x27

      Cinco pratos à noite durante a semana

      Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

        • A genial Kay Chun traz os sabores do churrasco coreano para o formato de hambúrguer nesta receita de cheeseburgers coreanos.
        • Ali Slagle tem um truque para obter um sabor forte neste frango com gengibre e limão: usar maionese na marinada.
        • Yasmin Fahr mistura iogurte espesso, queijo feta e pepino persa para adicionar nesta salada de salmão e cuscuz.
        • Esta pizza de salada com feijão branco e parmesão é uma refeição completa, inspirada na California Pizza Kitchen.
        • O nome yo po mian, um alimento básico da província de Shaanxi na China, significa "macarrão polvilhado com óleo".

        Aparentemente, eles anseiam por detalhes da rotina de café da manhã de Steven Spielberg & # x27s nos Hamptons (ele caminha rapidamente até uma loja gourmet local) ou os hábitos de gorjeta de Frank Sinatra & # x27s (ele & # x27d dá $ 100 para o barman). E não me interpretem mal. Estou tão interessado quanto qualquer outro em saber que um ex-editor de moda da revista Elle é quem deve agradecer pela decoração chique do clube de natação Isla, o restaurante cubano descolado em Greenwich Village. Mas esse tipo de informação - uma mistura curiosa de revista People e Hulk Hogan - é suficiente para sustentar uma audiência de longo prazo?

        Muito possivelmente, disse Samir Husni, professor de jornalismo da Universidade do Mississippi que se especializou na indústria de revistas. & # x27 & # x27Este é um bom momento para revistas & # x27 & # x27, disse ele. & # x27 & # x27A abordagem não profissional pode funcionar para eles, se conseguirem encontrar pessoas suficientes no mundo que pertençam ao clube de swing de pessoas do alimento. & # x27 & # x27

        O presidente do clube, Sr. Floris, é um ex-editor associado da Sportswear International, uma revista da indústria, onde trabalhou por 10 anos. Floris, cujo pai era dono de restaurantes gregos em Nova York, disse que ansiava por criar uma revista que combinasse o glamour da indústria da moda com o entusiasmo em torno dos restaurantes mais badalados. Na verdade, ele disse que teve a ideia para o nome da revista & # x27s há quatro anos. Ele lembrou: & # x27 & # x27Eu estava sentado em um bar com um amigo meu que é chef certificado. Ele disse: & # x27Chame de Foodie, porque é isso & # x27 é o que & # x27s está acontecendo agora. & # X27 & # x27 & # x27

        Pode ser um fenômeno cultural, mas Floris se contenta em começar pequeno. Depois de fundar a Morpheus Publishing Inc. e obter financiamento privado, ele contratou uma equipe mínima de cinco pessoas e montou a primeira edição do que planeja trimestralmente. Com uma tiragem de 52.000 exemplares, Floris disse que não esperava vender mais do que 4.000 nas bancas por US $ 3,95 a cópia. Ele enviará mais 25.000 para & # x27 & # x27a lista de nomes que aluguei & # x27 & # x27 e também fechou um acordo com o varejista de alimentos online Fultonstreet .com para distribuir 15.000 aos clientes.

        Com a segunda edição, marcada para 21 de agosto, Floris planeja imprimir 100.000 cópias. A equipe, disse ele, permanecerá enxuta. Sem querer soar exigente, mas ele pode considerar a contratação de um editor de texto adicional: o primeiro problema está repleto de erros ortográficos e factuais, como descrever o cereal Quisp como & # x27 & # x27 há muito tempo. & # X27 & # x27 (Ele vive, Foodie e é um favorito cult entre o seu público-alvo.)

        Mas no final, eu não pude reclamar da decisão do Sr. Floris de colocar a estrela do rock Sarah McLachlan e seu chef louro oxigenado na capa. Ele explicou sua lógica: & # x27 & # x27É um ajuste perfeito - ela é uma celebridade e ela é uma amante de comida. E eles definitivamente atraem o público-alvo. & # X27 & # x27

        Ou dito de outra forma: ela é uma pessoa famosa que come. E ele é uma pessoa tatuada que cozinha. Em uma cultura obcecada por estilo e comida, eles cobrem quase todos os ângulos. Só falta comida.


        MÍDIA MISTA Sem comida, por favor, It & # x27s Foodieville

        TENHO que dizer que, se eu fosse o editor da novíssima Foodie Magazine, provavelmente teria colocado Stephen Baldwin na capa da primeira edição.

        Afinal, o Sr. Baldwin resume o leitor que esta revista de alimentos deseja alcançar. Ele é um homem, em seus 30 e 27 anos e não cozinha. E em uma curta entrevista de perguntas e respostas que evitou a discussão sobre como a comida realmente era ruim no Alaia, seu breve restaurante em Manhattan, o Sr. Baldwin eloquentemente resumiu o apelo de um restaurante moderno e movimentado: & # x27 & # x27Pode ser muito divertido. & # x27 & # x27

        Esse é também o grito de guerra da Foodie Magazine, que chegou nas últimas duas semanas. Mais e mais revistas de alimentos brilhantes estão sendo abarrotadas nas bancas nestes tempos de fluxo nos primeiros três meses deste ano, uma dúzia se juntou aos cerca de 50 títulos de comida convencionais que já disputam a atenção dos obcecados por comer.

        Mas Foodie consegue se destacar. Por um lado, não tem receitas: não para Foodie a cobertura prosaica de, digamos, a melhor maneira de inserir frango cru no forno para obter um resultado comestível, o tipo de assunto para o qual revistas como Gourmet e Fine Cooking - e sim, até mesmo o Sr. Food & # x27s Easy Cooking - dedicaram páginas em edições recentes.

        Com a maioria das revistas de comida, eu sei onde estou. Quando vejo Gourmet, penso em minha sogra e suas amigas, todas excelentes cozinheiras, que aprenderam nos anos 1960 & # x27 o valor de adicionar vinho tinto ao patê - e que ainda guardam questões atrasadas em suas mesinhas de centro . Bon Appetit me lembra (novamente) que é hora de visitar a Itália, e Saveur me cutuca para adicionar mais manteiga ao molho - ok, creme também - porque devemos ser bons para nós mesmos.

        Em vez disso, tudo sobre Foodie é um chamado para unir uma nova geração de groupies (os jovens, os descolados, os carregados de testosterona e dinheiro) que abraçam avidamente a cultura de celebridade que cerca a comida atualmente. Acho que isso pode explicar a grande foto de um chef tatuado que cozinha para estrelas do rock. E uma apresentação de sushi que apresenta mais fotos de facas afiadas e assustadoras do que de comida real. E, espera-se, o item que exalta as virtudes de um site chamado Chowhound.com, que Foodie descreve como um diário de jantar & # x27 & # x27 sem limites e fluxo de consciência & # x27 & # x27 relatando excursões gastronômicas pela área de Nova York .

        Liguei para o editor de Foodie & # x27s, Gus Floris, que confirmou a tendência masculina. & # x27 & # x27Mais e mais, os homens estão em comida hoje, & # x27 & # x27 ele disse. & # x27 & # x27Eles gostam porque chefs famosos como Bobby Flay e Emeril estão tornando-o legal. & # x27 & # x27

        Cinco pratos à noite durante a semana

        Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

          • O genial Kay Chun traz os sabores do churrasco coreano para o formato de hambúrguer nesta receita de cheeseburgers coreanos.
          • Ali Slagle tem um truque para obter um sabor forte neste frango com gengibre e limão: usar maionese na marinada.
          • Yasmin Fahr mistura iogurte espesso, queijo feta e pepino persa para adicionar nesta salada de salmão e cuscuz.
          • Esta pizza de salada com feijão branco e parmesão é uma refeição completa, inspirada na California Pizza Kitchen.
          • O nome yo po mian, um alimento básico da província de Shaanxi na China, significa "macarrão polvilhado com óleo".

          Aparentemente, eles anseiam por detalhes da rotina de café da manhã de Steven Spielberg & # x27s nos Hamptons (ele caminha rapidamente até uma loja gourmet local), ou os hábitos de gorjeta de Frank Sinatra & # x27s (ele & # x27d dá $ 100 para o barman). E não me interpretem mal. Estou tão interessado quanto qualquer outro em saber que um ex-editor de moda da revista Elle é quem deve agradecer pela decoração chique do clube de natação Isla, o restaurante cubano descolado em Greenwich Village. Mas será que esse tipo de informação - uma mistura curiosa da revista People com Hulk Hogan - é suficiente para manter uma audiência de longo prazo?

          Muito possivelmente, disse Samir Husni, professor de jornalismo da Universidade do Mississippi que se especializou na indústria de revistas. & # x27 & # x27Este é um bom momento para revistas & # x27 & # x27, disse ele. & # x27 & # x27A abordagem não profissional pode funcionar para eles, se conseguirem encontrar pessoas suficientes no mundo que pertençam ao clube de swing de pessoas do alimento. & # x27 & # x27

          O presidente do clube, Sr. Floris, é um ex-editor associado da Sportswear International, uma revista da indústria, onde trabalhou por 10 anos. Floris, cujo pai era dono de restaurantes gregos em Nova York, disse que ansiava por criar uma revista que combinasse o glamour da indústria da moda com o entusiasmo em torno dos restaurantes mais badalados. Na verdade, ele disse que teve a ideia para o nome da revista & # x27s há quatro anos. Ele lembrou: & # x27 & # x27Eu estava sentado em um bar com um amigo meu que é chef certificado. Ele disse: & # x27Chame de Foodie, porque é isso & # x27 é o que & # x27s está acontecendo agora. & # X27 & # x27 & # x27

          Pode ser um fenômeno cultural, mas Floris se contenta em começar pequeno. Depois de fundar a Morpheus Publishing Inc. e obter financiamento privado, ele contratou uma equipe mínima de cinco pessoas e montou a primeira edição do que planeja trimestralmente. Com uma tiragem de 52.000 cópias, Floris disse que não esperava vender mais de 4.000 nas bancas por US $ 3,95 a cópia. Ele enviará outros 25.000 para & # x27 & # x27a lista de nomes que aluguei & # x27 & # x27 e também fechou um acordo com o varejista de alimentos online Fultonstreet .com para distribuir 15.000 aos clientes.

          Com a segunda edição, marcada para 21 de agosto, Floris planeja imprimir 100.000 cópias. A equipe, disse ele, permanecerá enxuta. Sem querer soar exigente, mas ele pode considerar a contratação de um editor de texto adicional: o primeiro problema está repleto de erros ortográficos e factuais, como descrever o cereal Quisp como & # x27 & # x27 há muito tempo. & # X27 & # x27 (Ele vive, Foodie e é um favorito cult entre o seu público-alvo.)

          Mas no final, eu não pude reclamar da decisão do Sr. Floris de colocar a estrela do rock Sarah McLachlan e seu chef louro oxigenado na capa. Ele explicou sua lógica: & # x27 & # x27É um ajuste perfeito - ela é uma celebridade e ela é uma amante de comida. E eles definitivamente atraem o público-alvo. & # X27 & # x27

          Ou dito de outra forma: ela é uma pessoa famosa que come. E ele é uma pessoa tatuada que cozinha. Em uma cultura obcecada por estilo e comida, eles cobrem quase todos os ângulos. Só falta comida.


          MÍDIA MISTA Sem comida, por favor, It & # x27s Foodieville

          TENHO que dizer que, se eu fosse o editor da novíssima Foodie Magazine, provavelmente teria colocado Stephen Baldwin na capa da primeira edição.

          Afinal, o Sr. Baldwin resume o leitor que esta revista de alimentos deseja alcançar. Ele é um homem de 30 e 27 anos e não cozinha. E em uma curta entrevista de perguntas e respostas que evitou a discussão sobre como a comida realmente era ruim no Alaia, seu breve restaurante em Manhattan, o Sr. Baldwin eloquentemente resumiu o apelo de um restaurante moderno e movimentado: & # x27 & # x27Pode ser muito divertido. & # x27 & # x27

          Esse é também o grito de guerra da Foodie Magazine, que chegou nas últimas duas semanas. Cada vez mais revistas de alimentos brilhantes estão sendo amontoadas nas bancas nestes tempos de fluxo nos primeiros três meses deste ano, uma dúzia se juntou aos cerca de 50 títulos de comida convencionais que já disputam a atenção dos obcecados por comer.

          Mas Foodie consegue se destacar. Por um lado, não tem receitas: não para Foodie a cobertura prosaica de, digamos, a melhor maneira de inserir frango cru no forno para obter um resultado comestível, o tipo de assunto para o qual revistas como Gourmet e Fine Cooking - e sim, até mesmo o Sr. Food & # x27s Easy Cooking - dedicaram páginas em edições recentes.

          Com a maioria das revistas de comida, eu sei onde estou. Quando vejo Gourmet, penso em minha sogra e suas amigas, todas excelentes cozinheiras, que aprenderam nos anos 1960 & # x27 o valor de adicionar vinho tinto ao patê - e que ainda guardam questões atrasadas em suas mesinhas de centro . Bon Appetit me lembra (novamente) que é hora de visitar a Itália, e Saveur me cutuca para adicionar mais manteiga ao molho - ok, creme também - porque devemos ser bons para nós mesmos.

          Em vez disso, tudo sobre Foodie é um chamado para unir uma nova geração de groupies (os jovens, os descolados, os carregados de testosterona e dinheiro) que abraçam avidamente a cultura de celebridade que cerca a comida atualmente. Acho que isso pode explicar a grande foto de um chef tatuado que cozinha para estrelas do rock. E uma apresentação de sushi que apresenta mais fotos de facas afiadas e assustadoras do que de comida real. E, espera-se, o item que exalta as virtudes de um site chamado Chowhound.com, que Foodie descreve como um diário de jantar & # x27 & # x27 sem limites e fluxo de consciência & # x27 & # x27 relatando excursões gastronômicas pela área de Nova York .

          Liguei para o editor de Foodie & # x27s, Gus Floris, que confirmou a tendência masculina. & # x27 & # x27Mais e mais, os homens estão em comida hoje, & # x27 & # x27 ele disse. & # x27 & # x27Eles gostam porque chefs famosos como Bobby Flay e Emeril estão tornando-o legal. & # x27 & # x27

          Cinco pratos à noite durante a semana

          Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

            • O genial Kay Chun traz os sabores do churrasco coreano para o formato de hambúrguer nesta receita de cheeseburgers coreanos.
            • Ali Slagle tem um truque para obter um sabor forte neste frango com gengibre e limão: usar maionese na marinada.
            • Yasmin Fahr mistura iogurte espesso, queijo feta e pepino persa para adicionar nesta salada de salmão e cuscuz.
            • Esta pizza de salada com feijão branco e parmesão é uma refeição completa, inspirada na California Pizza Kitchen.
            • O nome yo po mian, um alimento básico da província de Shaanxi na China, significa "macarrão polvilhado com óleo".

            Aparentemente, eles anseiam por detalhes da rotina de café da manhã de Steven Spielberg & # x27s nos Hamptons (ele caminha rapidamente até uma loja gourmet local), ou os hábitos de gorjeta de Frank Sinatra & # x27s (ele & # x27d dá $ 100 para o barman). E não me interpretem mal. Estou tão interessado quanto qualquer um em saber que um ex-editor de moda da revista Elle é quem deve agradecer pela decoração chique do clube de natação Isla, o restaurante cubano descolado em Greenwich Village. Mas esse tipo de informação - uma mistura curiosa de revista People e Hulk Hogan - é suficiente para manter uma audiência de longo prazo?

            Muito possivelmente, disse Samir Husni, professor de jornalismo da Universidade do Mississippi que se especializou na indústria de revistas. ''This is a good time for magazines,'' he said. ''The unprofessional approach may work for them, if they can find enough people in the world who belong to the swinging club of food people.''

            The club president, Mr. Floris, is a former associate publisher of Sportswear International, an industry magazine, where he worked for 10 years. Mr. Floris, whose father owned Greek diners in New York City, said he yearned to create a magazine that would combine the glamour of the fashion industry with the hype surrounding the latest hot restaurants. In fact, he said he got the idea for the magazine's name four years ago. He recalled: ''I was sitting in a bar with a friend of mine who's a certified chef. He said, ⟊ll it Foodie, because that's what's happening now.' ''

            It may be a cultural phenomenon, but Mr. Floris is content to start small. After founding Morpheus Publishing Inc., and obtaining private financing, he hired a skeleton staff of five and put together the first issue of what he plans as a quarterly. With a print run of 52,000 copies, Mr. Floris said he expected to sell no more than 4,000 on newsstands at $3.95 a copy. He will mail another 25,000 to 'ɺ list of names I rented,'' and has also struck a deal with the online food retailer Fultonstreet .com to distribute 15,000 to customers.

            With the second issue, scheduled for Aug. 21, Mr. Floris plans to print 100,000 copies. The staff, he said, will remain lean. Not to sound picky, but he might consider hiring an additional copy editor: the first issue is riddled with misspellings and factual errors, like describing Quisp cereal as ''long gone.'' (It lives, Foodie, and it's a cult favorite among your target audience.)

            But in the end, I couldn't quibble with Mr. Floris's decision to put the rock star Sarah McLachlan and her hunky, peroxide-blond chef on the cover. He explained his logic: ''It's a perfect fit -- she's a celebrity and she's a lover of food. And they definitely appeal to the target audience.''

            Or put another way: She's a famous person who eats. And he's a tattooed person who cooks. In a culture obsessed with style and with eating, they cover almost all the angles. The only thing missing is food.


            MIXED MEDIA No Food, Please, It's Foodieville

            I HAVE to say that if I were the editor of the brand-new Foodie Magazine, I probably would have put Stephen Baldwin on the cover of the first issue.

            After all, Mr. Baldwin epitomizes the reader that this food magazine wants to reach. He's a man, in his mid-30's and he doesn't cook. And in a short question-and-answer interview inside that avoided discussion of how bad the food really was at Alaia, his short-lived Manhattan restaurant, Mr. Baldwin eloquently summed up the appeal of a trendy, buzz-driven eatery: ''It can be a hell of a lot of fun.''

            That's also the rallying cry for Foodie Magazine, which arrived in the last two weeks. More and more glossy food magazines are being crammed onto newsstands in these flush times in the first three months of this year, a dozen joined the 50 or so mainstream food titles already vying for the attention of the eating obsessed.

            But Foodie manages to stand out. For one thing, it has no recipes: not for Foodie the prosaic coverage of, say, the best way to insert raw chicken into an oven to achieve an edible result, the sort of topic to which magazines like Gourmet and Fine Cooking -- and yes, even Mr. Food's Easy Cooking -- have devoted pages in recent issues.

            With most food magazines, I know where I stand. When I see Gourmet, I think of my mother-in-law and her friends, all fine cooks, who learned in the 1960's the value of adding red wine to their pate -- and who still keep back issues on their coffee tables. Bon Appetit reminds me (again) that it's time to visit Italy, and Saveur nudges me to add more butter to that sauce -- O.K., cream, too -- because we should be good to ourselves.

            Instead, everything about Foodie is a call to unite a new generation of groupies (the young, the hip, the testosterone-and-cash-laden) who avidly embrace the celebrity culture that surrounds food these days. I think this might explain the big photo of a tattooed chef who cooks for rock stars. And a spread on sushi that features more photos of scary, sharp knives than of actual food. And one hopes, the item extolling the virtues of a Web site called Chowhound.com, which Foodie describes as a 'ɻoundless, stream-of-consciousness dining diary,'' recounting eating excursions around the New York area.

            I called Foodie's editor, Gus Floris, who confirmed the masculine slant. ''More and more, men are into food today,'' he said. ''They dig it because celebrity chefs like Bobby Flay and Emeril are making it cool.''

            Cinco pratos à noite durante a semana

            Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

              • The brilliant Kay Chun brings the flavors of Korean barbecue to the burger format in this recipe for Korean cheeseburgers.
              • Ali Slagle has a trick to get brash flavor on this ginger-lime chicken: using mayo in the marinade.
              • Yasmin Fahr stirs together thick yogurt, feta and Persian cucumbers to toss in this salmon and couscous salad.
              • This salad pizza with white beans and parmesan is a complete meal, inspired by California Pizza Kitchen.
              • The name yo po mian, a staple from the Shaanxi Province in China, means “oil-sprinkled noodles.”

              Apparently, they crave details of Steven Spielberg's breakfast routine in the Hamptons (he speed-walks to a local gourmet shop), or Frank Sinatra's tipping habits (heɽ give $100 to the bartender). And don't get me wrong. I am as interested as the next eater to learn that a former fashion editor at Elle magazine is the one to thank for the chichi swimming club decor at Isla, the hip Cuban restaurant in Greenwich Village. But is this sort of information -- a curious blend of People magazine meets Hulk Hogan -- enough to sustain a long-term audience?

              Quite possibly, said Samir Husni, a professor of journalism at the University of Mississippi who specialized in the magazine industry. ''This is a good time for magazines,'' he said. ''The unprofessional approach may work for them, if they can find enough people in the world who belong to the swinging club of food people.''

              The club president, Mr. Floris, is a former associate publisher of Sportswear International, an industry magazine, where he worked for 10 years. Mr. Floris, whose father owned Greek diners in New York City, said he yearned to create a magazine that would combine the glamour of the fashion industry with the hype surrounding the latest hot restaurants. In fact, he said he got the idea for the magazine's name four years ago. He recalled: ''I was sitting in a bar with a friend of mine who's a certified chef. He said, ⟊ll it Foodie, because that's what's happening now.' ''

              It may be a cultural phenomenon, but Mr. Floris is content to start small. After founding Morpheus Publishing Inc., and obtaining private financing, he hired a skeleton staff of five and put together the first issue of what he plans as a quarterly. With a print run of 52,000 copies, Mr. Floris said he expected to sell no more than 4,000 on newsstands at $3.95 a copy. He will mail another 25,000 to 'ɺ list of names I rented,'' and has also struck a deal with the online food retailer Fultonstreet .com to distribute 15,000 to customers.

              With the second issue, scheduled for Aug. 21, Mr. Floris plans to print 100,000 copies. The staff, he said, will remain lean. Not to sound picky, but he might consider hiring an additional copy editor: the first issue is riddled with misspellings and factual errors, like describing Quisp cereal as ''long gone.'' (It lives, Foodie, and it's a cult favorite among your target audience.)

              But in the end, I couldn't quibble with Mr. Floris's decision to put the rock star Sarah McLachlan and her hunky, peroxide-blond chef on the cover. He explained his logic: ''It's a perfect fit -- she's a celebrity and she's a lover of food. And they definitely appeal to the target audience.''

              Or put another way: She's a famous person who eats. And he's a tattooed person who cooks. In a culture obsessed with style and with eating, they cover almost all the angles. The only thing missing is food.


              MIXED MEDIA No Food, Please, It's Foodieville

              I HAVE to say that if I were the editor of the brand-new Foodie Magazine, I probably would have put Stephen Baldwin on the cover of the first issue.

              After all, Mr. Baldwin epitomizes the reader that this food magazine wants to reach. He's a man, in his mid-30's and he doesn't cook. And in a short question-and-answer interview inside that avoided discussion of how bad the food really was at Alaia, his short-lived Manhattan restaurant, Mr. Baldwin eloquently summed up the appeal of a trendy, buzz-driven eatery: ''It can be a hell of a lot of fun.''

              That's also the rallying cry for Foodie Magazine, which arrived in the last two weeks. More and more glossy food magazines are being crammed onto newsstands in these flush times in the first three months of this year, a dozen joined the 50 or so mainstream food titles already vying for the attention of the eating obsessed.

              But Foodie manages to stand out. For one thing, it has no recipes: not for Foodie the prosaic coverage of, say, the best way to insert raw chicken into an oven to achieve an edible result, the sort of topic to which magazines like Gourmet and Fine Cooking -- and yes, even Mr. Food's Easy Cooking -- have devoted pages in recent issues.

              With most food magazines, I know where I stand. When I see Gourmet, I think of my mother-in-law and her friends, all fine cooks, who learned in the 1960's the value of adding red wine to their pate -- and who still keep back issues on their coffee tables. Bon Appetit reminds me (again) that it's time to visit Italy, and Saveur nudges me to add more butter to that sauce -- O.K., cream, too -- because we should be good to ourselves.

              Instead, everything about Foodie is a call to unite a new generation of groupies (the young, the hip, the testosterone-and-cash-laden) who avidly embrace the celebrity culture that surrounds food these days. I think this might explain the big photo of a tattooed chef who cooks for rock stars. And a spread on sushi that features more photos of scary, sharp knives than of actual food. And one hopes, the item extolling the virtues of a Web site called Chowhound.com, which Foodie describes as a 'ɻoundless, stream-of-consciousness dining diary,'' recounting eating excursions around the New York area.

              I called Foodie's editor, Gus Floris, who confirmed the masculine slant. ''More and more, men are into food today,'' he said. ''They dig it because celebrity chefs like Bobby Flay and Emeril are making it cool.''

              Cinco pratos à noite durante a semana

              Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

                • The brilliant Kay Chun brings the flavors of Korean barbecue to the burger format in this recipe for Korean cheeseburgers.
                • Ali Slagle has a trick to get brash flavor on this ginger-lime chicken: using mayo in the marinade.
                • Yasmin Fahr stirs together thick yogurt, feta and Persian cucumbers to toss in this salmon and couscous salad.
                • This salad pizza with white beans and parmesan is a complete meal, inspired by California Pizza Kitchen.
                • The name yo po mian, a staple from the Shaanxi Province in China, means “oil-sprinkled noodles.”

                Apparently, they crave details of Steven Spielberg's breakfast routine in the Hamptons (he speed-walks to a local gourmet shop), or Frank Sinatra's tipping habits (heɽ give $100 to the bartender). And don't get me wrong. I am as interested as the next eater to learn that a former fashion editor at Elle magazine is the one to thank for the chichi swimming club decor at Isla, the hip Cuban restaurant in Greenwich Village. But is this sort of information -- a curious blend of People magazine meets Hulk Hogan -- enough to sustain a long-term audience?

                Quite possibly, said Samir Husni, a professor of journalism at the University of Mississippi who specialized in the magazine industry. ''This is a good time for magazines,'' he said. ''The unprofessional approach may work for them, if they can find enough people in the world who belong to the swinging club of food people.''

                The club president, Mr. Floris, is a former associate publisher of Sportswear International, an industry magazine, where he worked for 10 years. Mr. Floris, whose father owned Greek diners in New York City, said he yearned to create a magazine that would combine the glamour of the fashion industry with the hype surrounding the latest hot restaurants. In fact, he said he got the idea for the magazine's name four years ago. He recalled: ''I was sitting in a bar with a friend of mine who's a certified chef. He said, ⟊ll it Foodie, because that's what's happening now.' ''

                It may be a cultural phenomenon, but Mr. Floris is content to start small. After founding Morpheus Publishing Inc., and obtaining private financing, he hired a skeleton staff of five and put together the first issue of what he plans as a quarterly. With a print run of 52,000 copies, Mr. Floris said he expected to sell no more than 4,000 on newsstands at $3.95 a copy. He will mail another 25,000 to 'ɺ list of names I rented,'' and has also struck a deal with the online food retailer Fultonstreet .com to distribute 15,000 to customers.

                With the second issue, scheduled for Aug. 21, Mr. Floris plans to print 100,000 copies. The staff, he said, will remain lean. Not to sound picky, but he might consider hiring an additional copy editor: the first issue is riddled with misspellings and factual errors, like describing Quisp cereal as ''long gone.'' (It lives, Foodie, and it's a cult favorite among your target audience.)

                But in the end, I couldn't quibble with Mr. Floris's decision to put the rock star Sarah McLachlan and her hunky, peroxide-blond chef on the cover. He explained his logic: ''It's a perfect fit -- she's a celebrity and she's a lover of food. And they definitely appeal to the target audience.''

                Or put another way: She's a famous person who eats. And he's a tattooed person who cooks. In a culture obsessed with style and with eating, they cover almost all the angles. The only thing missing is food.


                MIXED MEDIA No Food, Please, It's Foodieville

                I HAVE to say that if I were the editor of the brand-new Foodie Magazine, I probably would have put Stephen Baldwin on the cover of the first issue.

                After all, Mr. Baldwin epitomizes the reader that this food magazine wants to reach. He's a man, in his mid-30's and he doesn't cook. And in a short question-and-answer interview inside that avoided discussion of how bad the food really was at Alaia, his short-lived Manhattan restaurant, Mr. Baldwin eloquently summed up the appeal of a trendy, buzz-driven eatery: ''It can be a hell of a lot of fun.''

                That's also the rallying cry for Foodie Magazine, which arrived in the last two weeks. More and more glossy food magazines are being crammed onto newsstands in these flush times in the first three months of this year, a dozen joined the 50 or so mainstream food titles already vying for the attention of the eating obsessed.

                But Foodie manages to stand out. For one thing, it has no recipes: not for Foodie the prosaic coverage of, say, the best way to insert raw chicken into an oven to achieve an edible result, the sort of topic to which magazines like Gourmet and Fine Cooking -- and yes, even Mr. Food's Easy Cooking -- have devoted pages in recent issues.

                With most food magazines, I know where I stand. When I see Gourmet, I think of my mother-in-law and her friends, all fine cooks, who learned in the 1960's the value of adding red wine to their pate -- and who still keep back issues on their coffee tables. Bon Appetit reminds me (again) that it's time to visit Italy, and Saveur nudges me to add more butter to that sauce -- O.K., cream, too -- because we should be good to ourselves.

                Instead, everything about Foodie is a call to unite a new generation of groupies (the young, the hip, the testosterone-and-cash-laden) who avidly embrace the celebrity culture that surrounds food these days. I think this might explain the big photo of a tattooed chef who cooks for rock stars. And a spread on sushi that features more photos of scary, sharp knives than of actual food. And one hopes, the item extolling the virtues of a Web site called Chowhound.com, which Foodie describes as a 'ɻoundless, stream-of-consciousness dining diary,'' recounting eating excursions around the New York area.

                I called Foodie's editor, Gus Floris, who confirmed the masculine slant. ''More and more, men are into food today,'' he said. ''They dig it because celebrity chefs like Bobby Flay and Emeril are making it cool.''

                Cinco pratos à noite durante a semana

                Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

                  • The brilliant Kay Chun brings the flavors of Korean barbecue to the burger format in this recipe for Korean cheeseburgers.
                  • Ali Slagle has a trick to get brash flavor on this ginger-lime chicken: using mayo in the marinade.
                  • Yasmin Fahr stirs together thick yogurt, feta and Persian cucumbers to toss in this salmon and couscous salad.
                  • This salad pizza with white beans and parmesan is a complete meal, inspired by California Pizza Kitchen.
                  • The name yo po mian, a staple from the Shaanxi Province in China, means “oil-sprinkled noodles.”

                  Apparently, they crave details of Steven Spielberg's breakfast routine in the Hamptons (he speed-walks to a local gourmet shop), or Frank Sinatra's tipping habits (heɽ give $100 to the bartender). And don't get me wrong. I am as interested as the next eater to learn that a former fashion editor at Elle magazine is the one to thank for the chichi swimming club decor at Isla, the hip Cuban restaurant in Greenwich Village. But is this sort of information -- a curious blend of People magazine meets Hulk Hogan -- enough to sustain a long-term audience?

                  Quite possibly, said Samir Husni, a professor of journalism at the University of Mississippi who specialized in the magazine industry. ''This is a good time for magazines,'' he said. ''The unprofessional approach may work for them, if they can find enough people in the world who belong to the swinging club of food people.''

                  The club president, Mr. Floris, is a former associate publisher of Sportswear International, an industry magazine, where he worked for 10 years. Mr. Floris, whose father owned Greek diners in New York City, said he yearned to create a magazine that would combine the glamour of the fashion industry with the hype surrounding the latest hot restaurants. In fact, he said he got the idea for the magazine's name four years ago. He recalled: ''I was sitting in a bar with a friend of mine who's a certified chef. He said, ⟊ll it Foodie, because that's what's happening now.' ''

                  It may be a cultural phenomenon, but Mr. Floris is content to start small. After founding Morpheus Publishing Inc., and obtaining private financing, he hired a skeleton staff of five and put together the first issue of what he plans as a quarterly. With a print run of 52,000 copies, Mr. Floris said he expected to sell no more than 4,000 on newsstands at $3.95 a copy. He will mail another 25,000 to 'ɺ list of names I rented,'' and has also struck a deal with the online food retailer Fultonstreet .com to distribute 15,000 to customers.

                  With the second issue, scheduled for Aug. 21, Mr. Floris plans to print 100,000 copies. The staff, he said, will remain lean. Not to sound picky, but he might consider hiring an additional copy editor: the first issue is riddled with misspellings and factual errors, like describing Quisp cereal as ''long gone.'' (It lives, Foodie, and it's a cult favorite among your target audience.)

                  But in the end, I couldn't quibble with Mr. Floris's decision to put the rock star Sarah McLachlan and her hunky, peroxide-blond chef on the cover. He explained his logic: ''It's a perfect fit -- she's a celebrity and she's a lover of food. And they definitely appeal to the target audience.''

                  Or put another way: She's a famous person who eats. And he's a tattooed person who cooks. In a culture obsessed with style and with eating, they cover almost all the angles. The only thing missing is food.


                  MIXED MEDIA No Food, Please, It's Foodieville

                  I HAVE to say that if I were the editor of the brand-new Foodie Magazine, I probably would have put Stephen Baldwin on the cover of the first issue.

                  After all, Mr. Baldwin epitomizes the reader that this food magazine wants to reach. He's a man, in his mid-30's and he doesn't cook. And in a short question-and-answer interview inside that avoided discussion of how bad the food really was at Alaia, his short-lived Manhattan restaurant, Mr. Baldwin eloquently summed up the appeal of a trendy, buzz-driven eatery: ''It can be a hell of a lot of fun.''

                  That's also the rallying cry for Foodie Magazine, which arrived in the last two weeks. More and more glossy food magazines are being crammed onto newsstands in these flush times in the first three months of this year, a dozen joined the 50 or so mainstream food titles already vying for the attention of the eating obsessed.

                  But Foodie manages to stand out. For one thing, it has no recipes: not for Foodie the prosaic coverage of, say, the best way to insert raw chicken into an oven to achieve an edible result, the sort of topic to which magazines like Gourmet and Fine Cooking -- and yes, even Mr. Food's Easy Cooking -- have devoted pages in recent issues.

                  With most food magazines, I know where I stand. When I see Gourmet, I think of my mother-in-law and her friends, all fine cooks, who learned in the 1960's the value of adding red wine to their pate -- and who still keep back issues on their coffee tables. Bon Appetit reminds me (again) that it's time to visit Italy, and Saveur nudges me to add more butter to that sauce -- O.K., cream, too -- because we should be good to ourselves.

                  Instead, everything about Foodie is a call to unite a new generation of groupies (the young, the hip, the testosterone-and-cash-laden) who avidly embrace the celebrity culture that surrounds food these days. I think this might explain the big photo of a tattooed chef who cooks for rock stars. And a spread on sushi that features more photos of scary, sharp knives than of actual food. And one hopes, the item extolling the virtues of a Web site called Chowhound.com, which Foodie describes as a 'ɻoundless, stream-of-consciousness dining diary,'' recounting eating excursions around the New York area.

                  I called Foodie's editor, Gus Floris, who confirmed the masculine slant. ''More and more, men are into food today,'' he said. ''They dig it because celebrity chefs like Bobby Flay and Emeril are making it cool.''

                  Cinco pratos à noite durante a semana

                  Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

                    • The brilliant Kay Chun brings the flavors of Korean barbecue to the burger format in this recipe for Korean cheeseburgers.
                    • Ali Slagle has a trick to get brash flavor on this ginger-lime chicken: using mayo in the marinade.
                    • Yasmin Fahr stirs together thick yogurt, feta and Persian cucumbers to toss in this salmon and couscous salad.
                    • This salad pizza with white beans and parmesan is a complete meal, inspired by California Pizza Kitchen.
                    • The name yo po mian, a staple from the Shaanxi Province in China, means “oil-sprinkled noodles.”

                    Apparently, they crave details of Steven Spielberg's breakfast routine in the Hamptons (he speed-walks to a local gourmet shop), or Frank Sinatra's tipping habits (heɽ give $100 to the bartender). And don't get me wrong. I am as interested as the next eater to learn that a former fashion editor at Elle magazine is the one to thank for the chichi swimming club decor at Isla, the hip Cuban restaurant in Greenwich Village. But is this sort of information -- a curious blend of People magazine meets Hulk Hogan -- enough to sustain a long-term audience?

                    Quite possibly, said Samir Husni, a professor of journalism at the University of Mississippi who specialized in the magazine industry. ''This is a good time for magazines,'' he said. ''The unprofessional approach may work for them, if they can find enough people in the world who belong to the swinging club of food people.''

                    The club president, Mr. Floris, is a former associate publisher of Sportswear International, an industry magazine, where he worked for 10 years. Mr. Floris, whose father owned Greek diners in New York City, said he yearned to create a magazine that would combine the glamour of the fashion industry with the hype surrounding the latest hot restaurants. In fact, he said he got the idea for the magazine's name four years ago. He recalled: ''I was sitting in a bar with a friend of mine who's a certified chef. He said, ⟊ll it Foodie, because that's what's happening now.' ''

                    It may be a cultural phenomenon, but Mr. Floris is content to start small. After founding Morpheus Publishing Inc., and obtaining private financing, he hired a skeleton staff of five and put together the first issue of what he plans as a quarterly. With a print run of 52,000 copies, Mr. Floris said he expected to sell no more than 4,000 on newsstands at $3.95 a copy. He will mail another 25,000 to 'ɺ list of names I rented,'' and has also struck a deal with the online food retailer Fultonstreet .com to distribute 15,000 to customers.

                    With the second issue, scheduled for Aug. 21, Mr. Floris plans to print 100,000 copies. The staff, he said, will remain lean. Not to sound picky, but he might consider hiring an additional copy editor: the first issue is riddled with misspellings and factual errors, like describing Quisp cereal as ''long gone.'' (It lives, Foodie, and it's a cult favorite among your target audience.)

                    But in the end, I couldn't quibble with Mr. Floris's decision to put the rock star Sarah McLachlan and her hunky, peroxide-blond chef on the cover. He explained his logic: ''It's a perfect fit -- she's a celebrity and she's a lover of food. And they definitely appeal to the target audience.''

                    Or put another way: She's a famous person who eats. And he's a tattooed person who cooks. In a culture obsessed with style and with eating, they cover almost all the angles. The only thing missing is food.


                    MIXED MEDIA No Food, Please, It's Foodieville

                    I HAVE to say that if I were the editor of the brand-new Foodie Magazine, I probably would have put Stephen Baldwin on the cover of the first issue.

                    After all, Mr. Baldwin epitomizes the reader that this food magazine wants to reach. He's a man, in his mid-30's and he doesn't cook. And in a short question-and-answer interview inside that avoided discussion of how bad the food really was at Alaia, his short-lived Manhattan restaurant, Mr. Baldwin eloquently summed up the appeal of a trendy, buzz-driven eatery: ''It can be a hell of a lot of fun.''

                    That's also the rallying cry for Foodie Magazine, which arrived in the last two weeks. More and more glossy food magazines are being crammed onto newsstands in these flush times in the first three months of this year, a dozen joined the 50 or so mainstream food titles already vying for the attention of the eating obsessed.

                    But Foodie manages to stand out. For one thing, it has no recipes: not for Foodie the prosaic coverage of, say, the best way to insert raw chicken into an oven to achieve an edible result, the sort of topic to which magazines like Gourmet and Fine Cooking -- and yes, even Mr. Food's Easy Cooking -- have devoted pages in recent issues.

                    With most food magazines, I know where I stand. When I see Gourmet, I think of my mother-in-law and her friends, all fine cooks, who learned in the 1960's the value of adding red wine to their pate -- and who still keep back issues on their coffee tables. Bon Appetit reminds me (again) that it's time to visit Italy, and Saveur nudges me to add more butter to that sauce -- O.K., cream, too -- because we should be good to ourselves.

                    Instead, everything about Foodie is a call to unite a new generation of groupies (the young, the hip, the testosterone-and-cash-laden) who avidly embrace the celebrity culture that surrounds food these days. I think this might explain the big photo of a tattooed chef who cooks for rock stars. And a spread on sushi that features more photos of scary, sharp knives than of actual food. And one hopes, the item extolling the virtues of a Web site called Chowhound.com, which Foodie describes as a 'ɻoundless, stream-of-consciousness dining diary,'' recounting eating excursions around the New York area.

                    I called Foodie's editor, Gus Floris, who confirmed the masculine slant. ''More and more, men are into food today,'' he said. ''They dig it because celebrity chefs like Bobby Flay and Emeril are making it cool.''

                    Cinco pratos à noite durante a semana

                    Emily Weinstein tem sugestões de cardápio para a semana. Existem milhares de ideias para o que cozinhar esperando por você no New York Times Cooking.

                      • The brilliant Kay Chun brings the flavors of Korean barbecue to the burger format in this recipe for Korean cheeseburgers.
                      • Ali Slagle has a trick to get brash flavor on this ginger-lime chicken: using mayo in the marinade.
                      • Yasmin Fahr stirs together thick yogurt, feta and Persian cucumbers to toss in this salmon and couscous salad.
                      • This salad pizza with white beans and parmesan is a complete meal, inspired by California Pizza Kitchen.
                      • The name yo po mian, a staple from the Shaanxi Province in China, means “oil-sprinkled noodles.”

                      Apparently, they crave details of Steven Spielberg's breakfast routine in the Hamptons (he speed-walks to a local gourmet shop), or Frank Sinatra's tipping habits (heɽ give $100 to the bartender). And don't get me wrong. I am as interested as the next eater to learn that a former fashion editor at Elle magazine is the one to thank for the chichi swimming club decor at Isla, the hip Cuban restaurant in Greenwich Village. But is this sort of information -- a curious blend of People magazine meets Hulk Hogan -- enough to sustain a long-term audience?

                      Quite possibly, said Samir Husni, a professor of journalism at the University of Mississippi who specialized in the magazine industry. ''This is a good time for magazines,'' he said. ''The unprofessional approach may work for them, if they can find enough people in the world who belong to the swinging club of food people.''

                      The club president, Mr. Floris, is a former associate publisher of Sportswear International, an industry magazine, where he worked for 10 years. Mr. Floris, whose father owned Greek diners in New York City, said he yearned to create a magazine that would combine the glamour of the fashion industry with the hype surrounding the latest hot restaurants. In fact, he said he got the idea for the magazine's name four years ago. He recalled: ''I was sitting in a bar with a friend of mine who's a certified chef. He said, ⟊ll it Foodie, because that's what's happening now.' ''

                      It may be a cultural phenomenon, but Mr. Floris is content to start small. After founding Morpheus Publishing Inc., and obtaining private financing, he hired a skeleton staff of five and put together the first issue of what he plans as a quarterly. With a print run of 52,000 copies, Mr. Floris said he expected to sell no more than 4,000 on newsstands at $3.95 a copy. He will mail another 25,000 to 'ɺ list of names I rented,'' and has also struck a deal with the online food retailer Fultonstreet .com to distribute 15,000 to customers.

                      With the second issue, scheduled for Aug. 21, Mr. Floris plans to print 100,000 copies. The staff, he said, will remain lean. Not to sound picky, but he might consider hiring an additional copy editor: the first issue is riddled with misspellings and factual errors, like describing Quisp cereal as ''long gone.'' (It lives, Foodie, and it's a cult favorite among your target audience.)

                      But in the end, I couldn't quibble with Mr. Floris's decision to put the rock star Sarah McLachlan and her hunky, peroxide-blond chef on the cover. He explained his logic: ''It's a perfect fit -- she's a celebrity and she's a lover of food. And they definitely appeal to the target audience.''

                      Or put another way: She's a famous person who eats. And he's a tattooed person who cooks. In a culture obsessed with style and with eating, they cover almost all the angles. The only thing missing is food.


                      Assista o vídeo: MÓJ DZIEŃ JEDZENIA - NA DEFICYCIE 2200 KCAL (Novembro 2021).